A hora das refeições de qualidade

Chega de pratos sem gosto, feitos para um batalhão. Agora, chefs [br]renomados comandam as panelas em alto-mar

O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2008 | 00h00

Acostumada a preparar pratos para 40, 50 pessoas, a chef Mônica Rangel, dona do restaurante Gosto com Gosto, em Visconde de Mauá, no Rio, aceitou, no ano passado, o desafio da Costa Cruzeiros de fazer comida de qualidade para 2 mil pessoas. Nesta temporada, ela repete a empreitada no navio Costa Mediterranea.Mônica é uma das pioneiras no setor. "No ano passado, fizemos cozinha tailandesa, mas o comprador do navio não achou muitos ingredientes importantes." A chef precisou adaptar as receitas. "Neste ano, não vou correr esse risco - pretendo levar tudo."Mas adaptações são necessárias sempre. "Você tem de preparar pratos que saiam no mesmo dia: não dá pra fazer massa fresca, por exemplo." Outro destaque do navio é a chef Flávia Quaresma. As duas vão preparar juntas o jantar temático O Ano do Brasil na França. "Fico com cozinha brasileira e a Flávia, com a francesa", explica Mônica.A CVC põe nas mãos de Tereza Guerra, coordenadora de alimentos e bebidas, a responsabilidade em adaptar para o gosto nacional os pratos dos transatlânticos. "O navio, quando chega ao Brasil, precisa de uma base de cardápio local", diz. "Incluo pratos como moqueca de peixe, bastante apreciada pelos brasileiros, e retiro o excesso de pimenta do menu, normal em outros lugares, mas não aqui."Tereza afirma que o brasileiro é quase imbatível no consumo de doces e usa mais sal em suas refeições que os turistas que vêm da Europa. Por outro lado, os europeus consomem carnes que aqui não fazem tanto sucesso, como miúdos. "Rabada, para citar um exemplo, a gente até tem no cardápio, mas é um prato pouco pedido", conta.Tereza destaca que só no Brasil a cozinha fica aberta 24 horas. "O brasileiro tem o hábito de ficar até muito tarde se divertindo e precisa se alimentar antes de dormir."Nas últimas três temporadas, a MSC deu ao chef Allan Vila Espejo, que comanda 14 restaurantes em São Paulo, a função de acrescentar pratos típicos, como feijoada, ao cardápio dos navios, além de clássicos como estrogonofe e picadinho. A combinação de arroz com feijão pode ser encontrada em várias refeições e, no Natal, pernil com farofa e chester assado entram no cardápio. Espejo já realizou pequenos festivais a bordo, entre eles, de alta gastronomia italiana, mas sua principal marca foi colocar no menu pratos com a cara do Brasil. "O público brasileiro sente falta da comida de casa, do trivial, como bife acebolado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.