A importância do networking para empreendedoras
Conteúdo Patrocinado

A importância do networking para empreendedoras

Saiba por que conhecer as pessoas certas pode contribuir para seu negócio decolar

Dell, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

29 de outubro de 2021 | 07h30

Você já deve ter ouvido falar da importância de se estabelecer uma boa rede de contatos em diversas situações da vida. Entrou na universidade? Circule, fale com colegas e professores. Arranjou o primeiro emprego? Mostre seu valor às pessoas ao seu redor e também tente conhecê-las melhor. Entrou para um grupo de esportes? Virou mãe? Vai empreender? Pois todas essas situações são excelentes oportunidades de você “ver e ser vista”.

A palavra que define a prática de se estabelecer e cultivar relacionamentos profissionais, mas que são construídos em qualquer tipo de ambiente, é conhecida como networking. Usada assim mesmo, em inglês, ela significa, literalmente, “rede de contatos”, e é ela que vai ajudar você a conhecer pessoas interessantes e relevantes para o seu crescimento, ao mesmo tempo que você também poderá ser importante para elas. “É natural que a gente construa relações que sejam de ‘ganha-ganha’, que o outro lado também tenha algum interesse em manter essa relação com você. O ideal é que seja sempre uma troca”, diz Cristiane Camargo, CEO da IAB Brasil, entidade de classe que visa promover a publicidade digital no país.

Ao longo de sua carreira, ela fez e ainda faz uso da ferramenta de networking para abrir novos espaços e construir a sua imagem da forma como ela gostaria de ser percebida. “É uma habilidade que precisa ser praticada, exercitada e repetida. Coloque um tempo na sua agenda para fazer um networking consciente”, diz.

Prática essencial no empreendedorismo

Para uma empreendedora, cultivar uma boa rede de relacionamentos pode ser fundamental para o seu sucesso. Conhecer as pessoas certas é o que fará a diferença durante a sua jornada e até mesmo (re)desenhar o modelo do negócio.

Foi a partir de uma necessidade de troca de experiências e bons contatos que surgiu a B2Mamy, aceleradora que conecta mães empreendedoras ao ecossistema de inovação. Quando engravidou de seu filho Lucas, Dani Junco, CEO da empresa, começou a pensar como seria o seu futuro profissional depois que o filho nascesse - ou se teria que, como outras mães que conhecia, abandonar a carreira para se dedicar exclusivamente à maternidade. “Eu queria fazer parte dos dois mundos e não me encontrava em nenhum. Coloquei na minha página do Facebook ‘Tá doendo demais pensar em como vou equilibrar a minha vida pessoal e profissional. Mais alguém passando por isso? Vamos tomar um café’. Ou seja, eu estava ali fazendo networking”, conta ela.

Nesse encontro, em que ela esperava conhecer três ou quatro mulheres, apareceram 80. “Foi lá que tive o insight para começar a minha empresa, que existe hoje para tornar mães líderes e livres economicamente pela educação, pelo pertencimento e por meio de uma rede relevante, que hoje já conta com 50 mil mulheres”, completa.

Caminhos abertos

Dani ressalta a importância de comunidades como a B2Mamy para qualquer mulher que queira começar a fazer networking. “Como é que a gente evolui quando a gente quer aprender algo novo? Procurando pessoas que saibam mais que a gente. Em diversas comunidades e confrarias de mulheres, muitas já fazem esses contatos, trocam informações, experiências e fazem bons negócios. Comece por lá”, sugere ela.

Uma sugestão para empreendedoras é ingressar no DWEN, da Dell Technologies, que capacita mulheres empreendedoras para o crescimento de seus negócios por meio do poder da tecnologia, da expansão das redes de contato globais e do acesso ao capital. E também no Aladas, movimento que une mulheres para falar de empreendedorismo.

*Ouça aqui as entrevistas com a Cristiane Camargo e a Dani Junco na íntegra

Cinco dicas para um networking de valor

Existem muitos livros e artigos para ensinar a se fazer um bom networking. Você pode ser tímida, extrovertida, já ter um negócio ou ainda estar começando: as regrinhas básicas para se estabelecer uma rede de contatos valiosa é a mesma. Abaixo, confira cinco dicas de Daniela Graicar, fundadora do Aladas.

1 - Contribua sem esperar nada em troca

2 - Saiba escutar e falar na medida

3 - Saia do seu círculo habitual e frequente novos espaços (mesmo que sejam virtuais)

4 - Participe de eventos e grupos - isso vale também para as redes sociais

5 - Deixe a sua marca pessoal por onde passar. Seja sempre você mesma!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.