Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
A inflação estatística e os preços do supermercado
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A inflação estatística e os preços do supermercado

Sobra a sensação para o consumidor de que as despesas da feira e do supermercado aumentaram muito mais do que dizem os números oficiais

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2021 | 08h00

Os números oficiais da inflação e do desemprego refletem a situação real ou, por conta desta crise, vêm sofrendo alguma distorção? A pergunta não é tão descabida porque se espalha a percepção de que o buraco é mais embaixo do que dizem as frias estatísticas.

Em outras oportunidades esta Coluna já mencionou que a pandemia mudou muito as coisas. A cesta de consumo do brasileiro, especialmente a das classes médias, mudou porque houve o distanciamento social, houve o home office, as encomendas por delivery, mais despesas com computador, internet e energia elétrica dentro de casa. Em compensação, viagens, despesas com condução ou combustíveis caíram substancialmente, compras de roupas e despesas com serviços pessoais foram adiadas e tal.

Foi um tempo em que a estrutura de consumo para fins estatísticos praticamente não mudou. Os técnicos dos institutos de pesquisa trabalharam com a mesma cesta média de consumo. As despesas com serviços pessoais e de saúde continuaram pesando 13,1% no orçamento, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, embora na prática tenham mudado. Para que possa mudar a cesta de consumo, os institutos têm de fazer complicados e prolongados levantamentos que, depois de certo tempo, ajudam a avaliar quais itens estão sendo mais ou menos consumidos. É preciso admitir a existência de certas distorções que, no curto prazo, não conseguem ser medidas.

Saindo do quadro puramente estatístico, aumentou a percepção do consumidor de que o impacto sobre o orçamento ficou mais forte do que o espelhado pelos números oficiais. Foi influenciado pela alta do dólar, reajustes dos combustíveis, correção dos aluguéis pelo IGP-M e pelo aumento dos preços dos alimentos, que se seguiu à alta das commodities. Nessa hora, o consumidor não tem condições de fazer uma contabilidade mais precisa sobre o que perdeu e o que ganhou no custo de vida. Sobrou a sensação de que as despesas da feira e do supermercado aumentaram muito mais do que dizem os números.

Neste ano, a partir de maio, com o efeito vacina e outras novidades, as coisas se inverteram. Os combustíveis subiram ainda mais, a bandeira vermelha da conta de luz aumentou a pressão, o setor de serviços, que andava encolhido, passou a reajustar seus preços e os alimentos agora enfrentam os efeitos da seca.

Na área do emprego, a questão parece mais de entendimento das mudanças. O brasileiro médio ainda não percebeu que estamos diante de uma revolução das relações de trabalho. Muitos analistas continuam achando que o único emprego que presta é o da indústria, desconsiderando que quase 75% da economia está no setor de serviços. Além disso, as novas tecnologias e os aplicativos estão lançando cada vez mais força de trabalho nas ocupações autônomas, que muita gente insiste em dizer que não passam de trabalho informal, disfarçado ou não.

São, é verdade, atividades que ignoram tanto a proteção ao trabalho quanto a contribuição previdenciária mínima. Mas se o mercado está se encaminhando para nova estrutura de ocupação, então é preciso recalibrar não só a estrutura de direitos e de defesa desses profissionais, mas, também, medir e qualificar melhor as mudanças em curso.

CONFIRA

» Maior consumo de energia

Relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) publicado nesta quinta-feira mostrou que, depois de cair 1%, em consequência da pandemia, o consumo global de energia elétrica deve crescer quase 5% neste ano e outros 4% em 2022.

» Energia limpa não dá conta

O aumento da produção de energia elétrica por meio de fontes limpas, como a solar e a eólica, não consegue acompanhar o aumento da demanda. Deve aumentar 8% neste ano e 6% em 2022.

 » A força dos derivados

Em consequência desse descompasso, a eletricidade gerada por derivados de petróleo deve cobrir 45% do aumento do consumo de energia em 2021 e 40% do consumo de 2022. A maior parte do aumento do consumo de energia elétrica no mundo acontece na China. A Índia, que é o terceiro maior consumidor mundial, acabará abocanhando 9% do aumento do consumo global. Por conta disso, a previsão é de que as emissões de dióxido de carbono (CO2) do setor elétrico cresçam 3,5% em 2021 e 2,5% em 2022.

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.