Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'A inflação vai explodir após as eleições', diz administradora

Sandra Hoffmam, 36 anos,administradora 

O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2014 | 02h04

"Faz dois meses que eu não faço compras em geral. O último mercado que eu fiz foi em abril, depois só fui repondo. Na parte da comida eu não economizo, mas nas demais compras, sim. Isso está acontecendo desde abril. Passei a substituir marcas: no lugar de Omo estou usando Ariel, por exemplo. Também reduzi as idas ao supermercado: antes ia três vezes ao mês e agora, uma vez. Indo menos eu compro menos. Antes, todo mês eu comprava roupa nova para os meus filhos, comprava tênis, um brinquedo ou outro. Decidi economizar porque achei que o governo está escondendo muita coisa. O PIB, a inflação, os custos que eu tenho certeza que depois da Copa vão subir bastante. Acho que o governo está segurando por causa da eleição. Depois, vai explodir. Tenho medo do desemprego. E, para me precaver, estou poupando mais. Antes eu guardava 10% da minha renda; agora poupo 40%. Não tenho dívidas pendentes. A última dívida pendente foi de R$ 15 mil e faz um ano. Também estou evitando compras a prazo. Não estou confiante na economia. Tenho casa própria e carro e não estou pretendendo comprar nada de grande valor nos próximos meses."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.