Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

A internet e seu desaparecimento adiado

Em 2001 me perguntaram qual seria o futuro da internet. Respondi que para a internet ser realmente bem-sucedida, ela deveria "sumir" - no sentido de que se tornaria invisível aos seus usuários. Algo do dia a dia, com o qual contaríamos automaticamente e ao qual não prestaríamos nenhuma atenção específica.

Demi Getschko, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2014 | 02h04

A internet estaria oculta sob as numerosas aplicações bem-sucedidas, da mesma forma que a eletricidade está sob os eletrodomésticos, de forma automática, sorrateira e confiável. Sem saber, estava plagiando o cientista Mark Weiser (autor do conceito de computação ubíqua), que em 1991 havia escrito que "as mais profundas tecnologias são aquelas que desaparecem, que se mesclam ao tecido do dia a dia até dele se tornarem indistinguíveis".

Há hoje, entretanto, uma "pedra no meio do caminho" do apregoado e saudável desaparecimento da internet. É uma urgência técnica à qual devemos atentar: a migração do IPv4 para o IPv6. Explico: o IPv4 é a versão atual do protocolo básico da rede IP (Internet Protocol), sua língua-mãe. O IPv4 vem com uma numeração que permite "apenas" quatro bilhões de "habitantes" na rede. Pode parecer muito (e talvez parecesse à época, quando os engenheiros Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o tamanho e formato do endereço IP), mas é insuficiente para o número de usuários e máquinas da rede de hoje.

A saída é o IPv6. A nova versão do IP terá um número impronunciavelmente maior de elementos conectáveis. O IPv6 permitirá que cada um de nós ligue milhões de equipamentos à rede: será a nova alvorada da internet, agora como a "rede das coisas". Assim (e esperamos que pela última vez), teremos que prestar atenção técnica à internet e a ela dar o tratamento necessário. Mal comparando, seria como trocar o "padrão de tomadas".

O estoque de IPv4 destinado às regiões do mundo se esgota. Acabou na Ásia há três anos, e na Europa há um ano e meio. Agora foi a vez da América Latina e Caribe. Como sempre, quem está na "região de conforto" usando IPv4 e sem necessidades expressivas de crescimento não dá atenção a providências que não parecem afetá-lo imediatamente.

Mas aqueles que não prestarem atenção ao fim do IPv4 cometerão um erro que pode custar muito caro, tanto em termos de solidez e crescimento da rede, como em termos de novas aplicações e conexões. Ninguém, ao construir casa nova, usaria tomadas do padrão antigo - seria algo totalmente sem sentido. A internet recria-se a cada instante. Precisa de padrões sólidos e que suportem sua expansão, não de meros adaptadores que prolonguem seu uso sem segurança.

Em suas compras de equipamentos, certifique-se de que eles aceitam IPv6. Fale com seu provedor de acesso sobre a disponibilidade e estimule os serviços que você mais usa na rede para que também sejam acessíveis com o protocolo IPv6. Vida longa à internet!

DEMI GETSCHKO ESTREIA HOJE COMO COLUNISTA QUINZENAL DO 'LINK'. PERSONAGEM CENTRAL NA HISTÓRIA DA INTERNET NO BRASIL, JÁ FOI DIRETOR DE TECNOLOGIA DA AGÊNCIA ESTADO, EMPRESA DO GRUPO ESTADO, E POR DOIS PERÍODOS DIRETOR DA ICANN, ENTIDADE AMERICANA RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DE ENDEREÇOS DA WEB E NÚMEROS IP. DESDE 1995, É CONSELHEIRO DO COMITÊ GESTOR DA INTERNET (CGI.BR).

Tudo o que sabemos sobre:
Demi Getschko

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.