A Itautec precisa recuperar o tempo perdido

Uma das primeiras missões do executivo Mário Anseloni, ao assumir a presidência da Itautec, no começo de fevereiro, foi embarcar para Miami, nos Estados Unidos. Sua tarefa era decidir o futuro da Tallard, distribuidora de equipamentos da Itautec, cuja venda vinha sendo cogitada antes mesmo de sua contratação. Para quem estava chegando, poderia não ser exatamente uma questão fácil: afinal, a Tallard respondeu por quase 25% da receita líquida de R$ 1,9 bilhão da Itautec no ano passado. Em outras palavras: na prática, a Itautec que estava começando a comandar iria encolher, caso a distribuidora fosse passada adiante. "Mesmo assim, vimos que, no médio prazo, a Itautec ganharia muito mais caso pegasse o dinheiro da venda e investisse no seu core business", diz Anseloni. O dinheiro recebido pela Tallard, vendida à americana Avnet por R$ 69 milhões, no início de maio, compõe o grosso do pacote de R$ 100 milhões separado pela Itautec para aplicar no fortalecimento de seus negócios nos próximos três anos.

Clayton Netz, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2010 | 00h00

Recrutado na presidência da Hewllet Packard, Anseloni desembarcou na Itautec com o desafio de sacudir e revitalizar a vetusta fabricante de computadores e de sistemas de automação bancária e comercial, controlada pela Itaúsa. Com 31 anos de estrada, fundada à época da reserva de mercado, a Itautec é uma das empresas mais antigas do setor de TI no Brasil. Mas tem andado de lado: embora seja forte na área de automação, já não é mais a líder em vendas. Em computadores, está na quarta ou quinta posição, centrada no mercado corporativo, com participação pouco expressiva em computadores pessoais. Mais: o valor de mercado da Itautec é de apenas R$ 524 milhões, contra R$ 3,8 bilhões da Totvs ou R$ 1, 5 bilhão da Tivit, empresas muito mais recentes no setor.

Para dar conta do desafio de recuperar o tempo perdido, Anseloni está atuando em vários frontes. Um deles é o reforço da estrutura de direção da Itautec, com a contratação de profissionais no mercado, como um CFO e um executivo para a recém-criada diretoria de operações. "Muitos mais virão, sobretudo para fortalecer a equipe de vendas", diz. Outro fronte é da transformação da cultura da Itautec. "Nosso DNA é fabril", afirma. "Temos de nos aproximar mais do mercado e nos antecipar às necessidades dos clientes." Ele mesmo está dando o exemplo: nos primeiros três meses de trabalho, visitou 25 dos principais clientes da Itautec.

Segundo Anseloni, 2010 é o ano de fortalecimento da musculatura da Itautec, o que também passa pela renovação do portfólio de produtos, principalmente nos computadores destinados ao varejo. "Nossa oferta é limitada", diz. Passada essa fase, a empresa deverá estar preparada, a seu ver, para atingir as metas ambiciosas pactuadas com o Conselho da Itautec. Entre elas, está dobrar o faturamento em três anos e reconquistar posições em computadores. "Queremos estar brigando pela liderança até 2014", afirma.

Em tempo: graças ao crescimento projetado de 35% nas vendas para este ano, o impacto da venda da Tallard deverá ser superado.

BELO MONTE

Devassa de perdedores deu em nada

O prazo para contestação da habilitação concedida pela Aneel às empresas participantes do Consórcio Norte Energia, que venceu o leilão da Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará, em 20 de abril, encerrou-se ontem, sem nenhuma manifestação contrária. Esse período foi marcado por uma queda de braço entre vencedores e vencidos. Durante o processo de apuração dos documentos, o consórcio perdedor, liderado pela Andrade Gutierrez, contratou três importantes escritórios de advocacia para vasculhar a papelada em busca de inconsistências. Um exército de mais de 100 advogados trabalhou dia e noite para checar a documentação do consórcio vencedor, sem nada encontrar.

ALIMENTOS

Garoto vai produzir barras de cereais

A Garoto está entrando no promissor mercado de barra de cereais, categoria que movimentou R$ 230 milhões em 2009 e que cresce a uma média de 12,5% por ano desde 2000, segundo dados da Associação Brasileira de Alimentos (Abia). A fabricante de chocolates, controlada pela Nestlé, vai concorrer com empresas como a United Mills, Nutrimental e Ritter. A novidade já está nos pontos de venda em cinco sabores.

MARKETING ESPORTIVO

Procter & Gamble investe no Ironman

A Procter & Gamble decidiu patrocinar o Ironman 2010, prova de triatlo que acontece neste final de semana na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis. Com o acordo, a etapa brasileira da competição passa a levar o nome da marca Vick Pastilhas, da Procter, que pela primeira vez investe em eventos esportivos. Com 1.650 participantes, de 34 países, a prova é a maior da América Latina e a única da América do Sul que classifica diretamente 50 atletas para o mundial do Havaí.

TRAINEES

Resultados milionários no programa da Whirlpool

A Whirlpool, dona das marcas Brastemp e Consul, fez as contas: os projetos desenvolvidos nos últimos três anos em seus programas de trainees renderam R$ 62 milhões. Desde 2004, ingressaram na Whirlpool 103 trainees, dos quais 70% permanecem na empresa em cargos executivos. A meta, agora, é que até 2014 alguns deles cheguem à gerência geral, terceiro posto da hierarquia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.