Conteúdo Patrocinado

A jornada nas empresas

KPMG promove painel sobre sustentabilidade, tema central para as organizações na década que está começando

KPM, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

03 de junho de 2021 | 07h00

A gestão ESG vem ganhando importância a cada dia, tanto para as empresas quanto para o mercado financeiro. Ela é composta pelas iniciais, em inglês, de Ambiental, Social e Governança, os três pilares que devem ser contemplados nas práticas e na rotina das organizações.

É o equilíbrio entre esses três pilares que demonstra o quanto a empresa está comprometida em oferecer um futuro mais próspero e sustentável para toda a sociedade.

O conceito ESG é baseado na definição de indicadores claros, detalhados e globalmente aceitos para avaliar em que ponto uma organização se encontra em cada um deles. Com esse diagnóstico realizado, o passo seguinte é definir metas de evolução e os prazos para alcançá-las. Essas informações ganham o peso de um compromisso público, que será acompanhado e cobrado pelo mercado.

Para esclarecer dúvidas e trazer informações sobre o tema, principalmente sobre sustentabilidade, a KPMG promoveu a mesa-redonda “A jornada ESG nas empresas”, em parceria com o Estadão Blue Studio. Participaram da conversa Nelmara Arbex, sócia da KPMG especialista em ESG, e Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que reúne 65 grandes grupos empresariais. A mediação foi da jornalista Michelle Trombelli.

Nelmara explicou que o conceito ESG é a evolução de um processo iniciado há muitos anos e que ganhou impulso com questões urgentes e que precisam ser resolvidas, agravadas pela crise da covid. Isso porque a expectativa da sociedade em relação à contribuição das empresas aumentou. “Há uma percepção geral de que chegou o momento da ação. Esta década que está começando é a década do ‘vamos fazer’”, disse a sócia da KPMG. Marina concordou que há uma grande expectativa por avanços objetivos nos próximos anos e ressaltou a participação da iniciativa privada nesse processo. “ESG é a agenda de sustentabilidade sob o olhar dos investidores”, ela definiu.

Nelmara lembrou também que, ao mesmo tempo em que a jornada ESG está associada à gestão dos riscos de um negócio, ganha cada vez mais relevância como caminho para novas oportunidades. “As empresas que avançarem primeiro nessa agenda terão vantagens competitivas”, ela observou.

Acompanhe a íntegra da conversa!

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.