Diego Emir/ESTADÃO
Diego Emir/ESTADÃO

A miséria mora embaixo da ponte José Sarney

Maranhão lidera ranking dos Estados mais pobres do País, segundo o IBGE

Diego Emir, especial para o Estado

06 Dezembro 2018 | 04h00

SÃO LUÍS - O Maranhão mais uma vez lidera o ranking dos Estados mais pobres do País, segundo o IBGE. Maria Antônia Bernarda Silva conhece bem essa realidade. Ela mora debaixo da ponte José Sarney, que fica a menos de 2 km do metro quadrado mais caro de São Luís, a capital do Estado.

Em um barraco construído com sobras de madeira, papelão e plástico, Maria vive desde 1995 com sete filhos e um neto. Seu maior sonho é arrumar um emprego. Ela vive de “bicos”, assim como sua filha, Daniele, de 22 anos. Maria explica que sabe fazer faxina, mas que só tem achado trabalho para limpar portas de casas e capinar terrenos, o que rende entre R$ 10 e R$ 15 por dia. “Nem todo dia consigo arrumar um trabalho”, lamenta Maria que diz viver com menos de R$ 200 por mês.

O barraco onde mora só tem dois cômodos, não há ventilação, um forte odor toma conta do lugar onde nove pessoas dormem. Não há banheiro.

A falta de emprego e o aumento da pobreza tem colocado outras famílias debaixo da ponte José Sarney. Ernandes Costa dos Anjos, 25 anos, se mudou há oito meses para um barraco na mesma região onde mora com a mulher e o filho de dois anos. Antes trabalhava na construção e morava na periferia de São Luís. Quando perdeu o emprego, teve de se mudar.

A vila embaixo da ponte tem vista para os fundos do Palácio dos Leões, sede do Poder Executivo estadual. Ironicamente, parece que os gestores públicos viraram as costas para aquelas famílias. Maria Antônia desabafa: “No tempo da política, tem gente aqui, quase todo dia”.

Mais conteúdo sobre:
pobrezaeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.