A moeda vai à guerra
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A moeda vai à guerra

As moedas estão sendo cada vez mais utilizadas como instrumento de geopolítica e de poder

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2022 | 08h00

A guerra na Ucrânia e a operação de compra do Twitter pelo multibilionário Elon Musk, por US$ 44 bilhões, colocaram holofotes numa prática menos falada, mas cada vez mais intensiva, que é o uso da moeda como instrumento de poder.

Os manuais de Economia Política atribuem três funções clássicas à moeda. Ela é meio de troca, porque pode ser usada como pagamento de bens, serviços e direitos. É unidade de conta, porque é por meio dela que se mede o valor de qualquer coisa: mil dólares, mil euros, mil reais. E é, também, reserva de valor, porque é bem patrimonial que pode ser guardado para uso futuro.

Qualquer um sabe que aquele que possui mais dinheiro também pode mais: tempo é dinheiro, dinheiro é poder.

Mas isso não se limita a graus variados de riqueza. Os emissores de moeda, especialmente os das mais confiáveis, também têm condições de usá-la para o exercício do poder político. Este já é fenômeno fartamente estudado pelos teóricos da Economia, mas nem sempre notado na experiência.

Nesta guerra, os governos do bloco ocidental proibiram empresas e bancos russos e o próprio governo russo de transacionar em moedas fortes. Essa proibição foi acompanhada por bloqueios financeiros denominados nessas moedas, como depósitos, aplicações, patrimônio e valores diversos. Essas moedas passaram a funcionar como arma destinada a enfraquecer economicamente a Rússia. O presidente Putin revidou exigindo pagamentos em rublos nos seus fornecimentos de petróleo, gás natural e cereais. Assim, também usou sua moeda para produzir impacto geopolítico.

A História registra inúmeros casos de bloqueios comerciais de utilização de moedas no exercício da força por potências de toda a envergadura, mas, aparentemente, nunca em tão grandes proporções, como agora.

Há alguns anos, por exemplo, analistas consideravam a hipótese de que o governo da China pudesse usar seus trilhões de dólares em reservas internacionais lastreadas em títulos do Tesouro dos Estados Unidos para derrubar o valor do dólar e também enfraquecer a capacidade de endividamento do governo norte-americano. Mas isso não passou das conjecturas.

Governantes, chefes de Estado e autoridades dos bancos centrais vêm manifestando preocupação de que as emissões de moedas digitais privadas (criptomoedas) cheguem a tais proporções que acabem por solapar a capacidade dos países líderes de utilizar sua moeda, não só na execução de sua política de juros (política monetária), como, também, no exercício do poder dentro do próprio país e no exterior. Por isso, estudam um jeito de controlá-las. Até agora não obtiveram avanços.

Enfim, estamos diante da utilização intensiva da moeda como instrumento de geopolítica, situação que exige melhor compreensão sobre sua natureza e suas consequências. 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.