NYT
NYT

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

A Noruega tem um problema: falta de lixo, matéria-prima para gerar energia

País importa lixo de países vizinhos e já estuda buscar resíduos nos Estados Unidos para suprir a demanda

The New York Times,

30 de abril de 2013 | 18h28

 OSLO, NORUEGA - Esta é uma cidade que importa lixo. Ela recebe lixo da Inglaterra, da Irlanda, da vizinha da Suécia. E já estuda importar dos Estados Unidos.

"Eu gostaria de ter um pouco do lixo americano", explica Pal Mikkelsen, em seu escritório em uma grande fábrica na periferia que transforma lixo em calor e eletricidade.

O transporte marítimo é barato e isso tornou viável importar o lixo como matéria-prima para a produção de energia.

Oslo, uma cidade de grande tradição na área de reciclagem, onde cerca de metade da cidade e a maioria de suas escolas são aquecidos por queima de lixo - lixo doméstico, resíduos industriais e até mesmo resíduos tóxicos e perigosos de hospitais e prisões. Mas a cidade enfrente um problema: a falta de lixo.

O problema não é exclusivo de Oslo, uma cidade de 1,4 milhão de pessoas. Em toda a Europa do Norte, onde a prática de queimar lixo para gerar calor e eletricidade explodiu nas últimas décadas, a demanda para o lixo muito superior à oferta.

"O norte da Europa tem uma enorme capacidade de geração", disse Mikkelsen, 50, um engenheiro mecânico que durante o ano passado foi o diretor da agência de energia de Oslo.

No entanto, a população exigente do Norte da Europa produz apenas cerca de 150 milhões de toneladas de resíduos por ano, explica ele, muito pouco para abastecer incinerar plantas que podem lidar com mais de 700 milhões de toneladas.

 

Um imposto britânico sobre aterros torna mais barato exportar o lixo para lugares como Oslo.

Para alguns, pode parecer bizarro que Oslo seja obrigada a recorrer à importação de lixo para produzir energia. A Noruega está entre os 10 maiores exportadores mundiais de petróleo e gás, e tem abundantes reservas de carvão e uma rede de mais de 1.100 usinas hidrelétricas em suas montanhas ricas em água.

No entanto, a queima de lixo tornou-se uma alternativa diante do cenário atual, onde o mundo busca formas de produção de energia sustentável. Queimar lixo é sinônimo de economia de combustíveis fósseis.

Tudo o que sabemos sobre:
lixoenergiarenováveloslonorueganyt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.