finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

A nova geopolítica energética mundial

Desde o dia em que a Petrobrás anunciou que o campo de Tupi (hoje, Lula) tinha reservas recuperáveis de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo em novembro de 2007, uma nova geopolítica do petróleo foi desenhada.

WELLINGTON BAHENMANN, Agencia Estado

20 de outubro de 2013 | 08h13

Nesse meio tempo, o gás natural ganhou status de fonte energética do futuro e ajudou os Estados Unidos a reduzirem sua dependência dos países do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, o mundo viu a China emergir como a maior importadora de petróleo do planeta, ultrapassando os EUA. Isso explica a recente aproximação dos governos do Brasil e da China no setor de energia.

O advento de novas técnicas de exploração tornou viável o aproveitamento das reservas de petróleo e gás não convencional nos EUA. Desde 2007, a importação americana de petróleo caiu 22,37%, para 10,58 milhões de barris diários em 2012, segundo a petrolífera BP. Isto também ajudou a brecar o declínio na produção americana de óleo, que estava em queda desde 1984. De 2007 a 2012, a produção dos EUA cresceu 29,7%, para 8,90 milhões de barris por dia.

A exploração dos recursos não convencionais também derrubou o preço do gás negociado nos EUA e o descolou da trajetória de preços do petróleo. O Henry Hub, preço do mercado à vista americano, passou de US$ 8,86 por milhão de BTU ( BTU, British Termal Unit, corresponde a 252,2 calorias e é medida usada internacionalmente) para US$ 2,7 por milhão de BTU entre 2008 e 2012, uma queda de 69,5%. Isto tem permitido uma recuperação da atividade industrial americana, atraindo fábricas para o país.

"Se a tecnologia dos EUA para a exploração dos recursos não convencionais for viável em escala global, isso cria uma pressão sobre o preço do petróleo no médio e longo prazos", disse o coordenador do Grupo de Economia de Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (GEE/UFRJ), Edmar de Almeida. Os EUA já projetam passar de importadores a exportadores de gás em 2020.

Segundo o especialista em exploração da ZAG Consultoria, Pedro Zalán, importantes descobertas de gás foram feitas em Moçambique, Tanzânia e no Mediterrâneo, próximo a Israel. Isto reforçou o papel do gás como potencial substituto do petróleo. "O gás, entre 30 e 40 anos, será um grande competidor do petróleo, porque é um recurso muito mais abundante e limpo", disse.

Para Almeida, a menor dependência externa reduzirá a liderança energética dos EUA, que atua como uma espécie de "polícia" do mercado para evitar oscilações drásticas no preço do petróleo. Este movimento marca, ao mesmo tempo, a ascensão da China como ator relevante na nova geopolítica energética. O governo americano prevê que a China se torne este mês a maior importadora de petróleo do mundo, fato que aumenta o poder de influência das estatais chinesas e justifica o interesse em projetos como Libra.

Novamente, os recursos não convencionais podem ter impacto decisivo no futuro da China. O EIA estima que o território chinês seja o palco da maior reserva global de óleo e gás não convencional, o que poderia reduzir a dependência externa chinesa. Contudo, especialistas têm dúvidas se a experiência americana poderá ser repetida em outros países e se essa exploração é economicamente viável no longo prazo.

Reservas

Outra mudança significativa na geopolítica do petróleo foi a ascensão da Venezuela ao topo no ranking das reservas mundiais, superando a Arábia Saudita. Em 2007, o país era apenas o sexto colocado, com reservas de 99,4 bilhões de barris. Em 2012, a Venezuela já contabilizava 297,6 bilhões de barris de óleo, superando também o Canadá, que caiu de segundo para terceiro lugar.

Em contrapartida, Zalán diz que o Canadá vem se consolidando como o grande fornecedor de petróleo dos EUA, tomando um papel que pertencia à Venezuela até a ascensão do Chavismo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PRÉ-SALLEILÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.