finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

A OCDE recomenda mais produtividade para crescer

Os maiores países emergentes, entre os quais China, Brasil, Rússia e Índia, precisam aumentar a produtividade da mão de obra para crescer mais rapidamente, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Mas, se o problema é menor na China, cujo ritmo de crescimento projetado para este ano é de 7,3%, para o Brasil é mais grave, pois o aumento esperado do PIB é igual ou inferior a 1% e as expectativas para o PIB industrial são ainda mais preocupantes.

O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2014 | 02h04

No estudo Perspectivas para o Desenvolvimento Global em 2014, divulgado há alguns dias, a OCDE lembra que o consumo liderou o crescimento econômico do País nos últimos anos, enquanto a relação entre as exportações e o PIB foi baixa, o peso das vendas de manufaturados no comércio exterior diminuiu de 60% para 35% na última década e o grau de dependência das commodities aumentou. O destaque positivo ficou com as atividades agrícolas.

É hora, pois, de fortalecer a competitividade, tanto do setor industrial como no de serviços, segundo o relatório. Um dos gargalos é a falta de recursos humanos e de infraestrutura. Outro diz respeito aos custos administrativos e aos mecanismos de proteção à indústria, excessivos num país com uma estrutura industrial diversificada.

A carga tributária brasileira é elevada em relação a países em desenvolvimento e mesmo em relação a países desenvolvidos. O sistema de impostos é complexo, o que prejudica a produção e o comércio exterior. Já entre os aspectos positivos do Brasil está o baixo índice de desemprego, comparativamente aos demais países de renda média.

Para que o Brasil possa crescer de maneira sustentável, "é preciso um crescimento mais forte da produtividade e uma acumulação de capital mais rápida", segundo a OCDE. Em especial, o País precisa aumentar a eficiência econômica, o que depende de melhores portos, aeroportos e rodovias. "Embora o Programa de Aceleração do Crescimento tenha levado a um aumento dos investimentos, principalmente em rodovias, muitos projetos continuam inacabados por causa de problemas de financiamento ou atrasos em razão de dificuldades no planejamento."

O estudo da OCDE deve ser lido com atenção. Mostra que, sem elevar a produtividade do trabalhador e do conjunto dos fatores de produção, o País tende a perder terreno, em especial para os países desenvolvidos, que crescem com mais produtividade, a começar dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.