Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

A oferta das montadoras e os investimentos agrícolas

Em 2013, as vendas de colheitadeiras, retroescavadeiras, tratores de roda e cultivadores motorizados tiveram crescimento excepcional, informa a associação das montadoras de veículos (Anfavea). Contribuíram, assim, para a alta produtividade das fazendas e do agronegócio e para o aumento dos investimentos, a conta mais positiva do PIB no primeiro trimestre.

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2013 | 02h03

Entre os primeiros cinco meses de 2012 e 2013, as vendas internas totais no atacado de colheitadeiras aumentaram 65,1%; de retroescavadeiras, 38,1%; de tratores de roda, 27,4%; e de cultivadores motorizados, 6,2%. Caíram apenas as vendas de tratores de esteiras (-7,2%), o que não impediu que as vendas totais de máquinas agrícolas automotrizes registrassem alta de 30,3%, entre janeiro e maio, e de 32,7%, comparando maio de 2012 e de 2013.

Dado o peso do agronegócio e das safras recordistas para o crescimento da economia no longo prazo, a oferta de bens de capital (que inclui caminhões) é, hoje, a contribuição que mais se destaca na indústria automobilística. Embora a produção de veículos leves, em níveis recorde, tanto em maio como em 2013, seja a mais lucrativa e importante.

A produção de 348,1 autoveículos, em maio, e 1,54 milhão, entre janeiro e maio (+21,8% e +18,6%, respectivamente, em relação aos mesmos períodos de 2012), superou as vendas, que caíram 5,2% entre abril e maio últimos, em decorrência do recuo das vendas de importados.

Amparado por estímulos fiscais, o setor de veículos continua como carro-chefe da indústria brasileira. O nível de emprego no segmento aumentou 0,4%, entre abril e maio, e 6%, comparativamente a maio de 2012. Os resultados positivos estimulam que as matrizes invistam mais no Brasil, confiando na força do mercado local. Já as exportações de veículos se ressentem do custo Brasil: nos últimos 12 meses, caíram 6,7%, o equivalente a US$ 1 bilhão, em relação aos 12 meses anteriores.

Por seu efeito multiplicador, a importância do setor automobilístico é inegável para a economia e é expressivo seu peso na indústria em geral. Esta, com baixa produtividade, enfrenta grandes dificuldades. Se houve recuperação dos manufaturados, no primeiro quadrimestre, essa se deveu, em parte, à base de comparação muito baixa.

Mas os estímulos ao setor não têm a contrapartida de investimentos maciços na infraestrutura viária, fazendo da expansão da frota um pesadelo para as cidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.