Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

A pechincha chega ao luxo

Preocupada com a crise, a classe A diminui a lista de lembrancinhas de Natal e reduz o valor dos presentes

Paula Pacheco, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

A inauguração de uma loja das grandes grifes internacionais é motivo de euforia entre os brasileiros da classe A. As festas são abastecidas de espumante e canapés e a clientela costuma se esbaldar e sair carregada de sacolas. Mas o clima foi outro na abertura da Chanel no Shopping Cidade Jardim, um dos endereços do luxo de São Paulo. O que se via na noite da segunda-feira era muita gente e poucas compras. Sinal de alerta na alta renda. A aversão ao endividamento nesses dias de crise econômica global, mesmo diante de modelos Chanel, é fácil de entender. Os preços das bolsas variam de R$ 4.680 a R$ 13.460 (um modelo com pêlo de pônei). O broche de tecido em formato de camélia é vendido por R$ 680.Alessandra Campiglia foi à Daslu do Cidade Jardim para a inauguração da nova loja. Vestida de Chanel da cabeça aos pés, ela confirma o clima de apreensão. "A crise afetou todo mundo. As perdas na Bolsa foram grandes. Antes eu comprava presentes para todo mundo. Neste Natal vou cortar em 20% a minha lista", conta. O gasto médio com as lembrancinhas para manicures, seguranças e amigas varia de R$ 100 a R$ 300 e Alessandra pretende reduzir os valores. Fã de grandes grifes internacionais, como Chanel, Stella McCartney e Prada, Alessandra vai abrir mão dos supérfluos. "Se a manutenção das plantas de casa era semanal, passará a ser quinzenal", diz. A mudança de comportamento levou as lojas que atendem ao público de alto poder aquisitivo a antecipar as promoções de janeiro. "A vendedora da Louis Vuitton ligou para avisar que as bolsas estavam com o dólar mais baixo", comenta.As amigas Martha Lerro e Laura Costa Lima também passaram pela Chanel. Martha acaba de voltar de Paris e diz que as grifes internacionais vendidas por aqui estão muito caras. "Na Avenue Montaigne, endereço das grandes marcas, não havia clima de crise. Quem tem dinheiro tem dinheiro e pronto", afirma. Ela calcula que sua lista de presentes chegue a uns 30 nomes e o gasto médio por lembrancinha será de R$ 200. O Natal da classe A não deixará de ter um bom espumante importado, nozes e avelãs. Mas o mesmo não se pode dizer de outras despesas de fim de ano. Quem faz parte do topo da pirâmide sentiu primeiro o golpe da crise global. São pessoas como Alessandra que perderam dinheiro no mercado de capitais, viram o valor de suas empresas minguar e, diante da incerteza quanto ao próximo ano, começaram a cortar gastos.Uma volta pelos shoppings de alto padrão confirma o clima. Tanto no Cidade Jardim quanto no Iguatemi, tradicional endereço da elite econômica paulistana, o que se via, 10 dias antes do Natal, eram visitantes, não consumidores. Em lojas como Bulgari, Ermenegildo Zegna e Dolce & Gabbana as vendedores espantavam o tédio com um bate-papo. A Burberry, que se despede do Brasil no início do ano, anuncia na entrada da loja produtos em liquidação em plena alta temporada de consumo. A Jeans Hall, onde as calças custam por volta de R$ 2 mil, adotou os descontos progressivos. Das grifes mais badaladas, apenas a Diesel e a Gucci, recém-inaugurada, tinham um bom movimento.Kika Riveti, executiva da Longchamps, marca francesa de bolsas e malas,garante:"Quem tem muito dinheiro está comprando apenas o que precisa e olhando os preços antes de fechar negócio". Patrícia Assui, executiva da Tiffany, é cautelosa. A empresa, que falava da abertura da terceira loja no Brasil entre 2010 e 2011, engavetou o projeto. "Este será um Natal de muita cautela", opina.Representante da marca dinamarquesa Bang & Olufsen, Helio Bork ainda espera bons negócios mais perto do Natal. "Tivemos de negociar com a matriz para dar 20% de desconto em três produtos da linha; é algo inédito", explica Bork.Carlos Jereissati Filho, do Iguatemi, aposta num quadro melhor. "As vendas não estão tão fortes, mas porque vínhamos de uma base muito boa", explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.