finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

A produção industrial caiu muito no Nordeste

Entre abril e maio, a produção industrial da Região Nordeste caiu 4,5%. Na Bahia, o recuo atingiu 6,8%, segundo a Pesquisa Industrial Mensal - Resultados Regionais, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Outros números da indústria foram menos ruins, o que se deve mais à base de comparação, porque, de fato, há acentuada deterioração em 2014.

O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2014 | 02h04

A piora é clara quando se comparam os primeiros cinco meses de 2014 e de 2013. A produção industrial brasileira caiu 1,6%, puxada pelo Paraná (-1,7%), Rio Grande do Sul (-2,5%), Bahia (-2,8%), Espírito Santo (-3,3%), Rio de Janeiro (-4,3%) e São Paulo (-4,7%). Entre os Estados mais dinâmicos, só Minas Gerais escapou da queda nesse período de comparação, subindo 0,2%, mas se trata de porcentual indicativo de estagnação.

Na comparação entre períodos mais longos, por exemplo, de 12 meses, até maio, com os 12 meses anteriores, a produção geral ainda avança 0,2%, mas com tendência de declínio: o aumento havia sido de 0,7%, até abril, e de 2%, até março.

O recuo da Região Nordeste, entre maio de 2013 e maio de 2014 (-2,1%), foi influenciado pela queda no setor de veículos automotores, reboques e carrocerias (-15,5%), metalurgia (-9,4%) e produtos químicos (-8,2%). Os resultados da região só não foram piores por causa do aumento da produção de refrigerantes, cervejas e cachaça, calças compridas de uso masculino e calcinhas de malha, ou ainda minérios de cobre, reservatórios, caixas de água, cisternas, piscinas e artefatos de plástico, como tubos ou canos para a construção civil e filmes para embalagem.

O que se constata, no conjunto da indústria do País, é que persiste a tendência de queda - e esta afeta as decisões de investimento. O grau de oscilação é incompatível com o planejamento das empresas.

Note-se que o desestímulo do investimento não pode ser compensado, do ponto de vista da indústria em geral, por decisões tributárias que favorecem alguns setores ou pela concessão de crédito subsidiado, que não pode ser concedido a todos.

Portanto, salvo nos casos de empresas que produzem itens de consumo obrigatório - e só por isso escapam de problemas maiores -, as demais passam a depender de estímulos do governo para investir. E tal situação não se sustenta.

Os dados regionais confirmam o grau de dificuldades enfrentado pelo setor secundário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.