A próxima da fila é a Brasil Education

Depois de Brasil Brokers, Brasil Insurance, Brazil Pharma e Brasil Travel, financistas querem unir pequenas escolas numa mesma rede

Patrícia Cançado, de O Estado de S.Paulo,

18 de dezembro de 2011 | 23h09

SÃO PAULO - Em 2007, um grupo de financistas cariocas liderado por Ney Prado Jr., da Gulf Investimentos, bateu à porta de inúmeras corretoras imobiliárias regionais em busca de sócios para a Brasil Brokers - que até então era só um projeto de uma rede nacional do setor. O argumento para convencer os potenciais parceiros a entrar no jogo estava baseado numa expressão popular: "antes rabo de baleia que cabeça de sardinha." Ou seja, seria mais vantajoso ser minoritário em uma corretora maior, com atuação nacional, que ser dono de um pequeno negócio. E com bônus: o vendedor continuaria à frente do negócio. Depois de arregimentar 17 empresários, a Brasil Brokers foi à bolsa e levantou R$ 700 milhões, sendo R$ 300 milhões para o bolso dos sócios.

Leia as demais notícias do caderno de Negócios dessa semana:

Uma agência que faz questão de pensar 'fora da caixa'

Empresas batizam prédios com suas marcas

Foi assim, juntando pequenas peças, que a nova holding tornou-se uma gigante na área de corretagem. Neste ano, vai intermediar R$ 19 bilhões em vendas e tem quase 20 mil corretores espalhados em 16 Estados. Com a experiência bem sucedida, os sujeitos da Gulf partiram para novas empreitadas. No ano passado, levaram a mesma ideia para as corretoras de seguros e criaram, do zero, a Brasil Insurance, que nasceu junto com o IPO (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês).

Agora, está em curso mais um negócio: a Brasil Education. Trata-se de uma sociedade entre donos da Gulf e a Prismapar, consultoria estratégica de educação fundada em 2002 por Renato Souza Neto (filho do ex-ministro da Educação Paulo Renato Souza, morto este ano). "Já assinamos contrato com algumas instituições e estamos negociando com outras dez ", revelou Souza ao Estado. "Nosso foco é amplo. Queremos tanto universidades como escolas de ensino técnico e profissionalizante."

Diferentemente da Brasil Brokers, a Brasil Education só vai sair do papel se for para a bolsa. Isso porque os contratos estão condicionados à abertura de capital. Até lá, a holding não vai desembolsar um centavo. Todo o pagamento será feito com ações da nova companhia. Cada um ficará com um pedacinho do bolo. Os sócios da Gulf e a Prismapar devem ter entre 20% e 25%. "O prazo para o IPO acontecer é de 18 meses. Ou seja, temos até 2013. Nesse período, a escola não pode negociar com ninguém", explica Souza. A ideia é "amarrar" a maior parte das empresas em 2012. No radar da Prismapar estão 15 a 20 escolas, com receitas que variam de R$ 20 milhões a R$ 60 milhões. No fim, formaria um grupo com R$ 500 milhões de receita e Ebitda de R$ 100 milhões.

O mercado de educação foi descoberto há pouco anos pelos fundos de participação em empresas (private equity). Com um modelo agressivo de aquisição de universidades, criaram três dos maiores grupos do setor em um curtíssimo intervalo de tempo: Anhanguera, Kroton e Estácio. A despeito disso, Souza acredita que pode pescar os peixes que não caíram na rede dos fundos. "Ainda tem muito espaço. Mapeamos entre 800 e 1000 instituições de pequeno a médio porte de ensino superior. Tem um monte de gente que não quer vender para uma Anhanguera por medo de perder a identidade. Esse nosso conceito mantém a gestão local e identidade regional", explica.

Frankenstein. Empresas como Brasil Brokers, Brasil Insurance e Brasil Education seguem um modelo conhecido nos Estados Unidos como roll up. Normalmente capitaneadas por um financista, essas companhias nascem sem nenhum ativo, muitas vezes atreladas ao IPO, em setores pulverizados e que não exigem capital intensivo. A estrutura societária é invariavelmente a mesma: pequenas e médias empresas agrupadas sob um guarda-chuva maior. O dono original fica com uma pequena participação na holding, mas continua à frente da gestão. As marcas costumam ser mantidas e ganham o sobrenome da holding. O risco, segundo especialistas ouvidos pelo Estado, é acabar criando um Frankenstein, com várias identidades. Outro desafio é convencer os investidores, num mercado acionário pouco receptivo a riscos, a comprar ações dessas novatas. A Brasil Brokers foi bem sucedida na bolsa porque abriu o capital em 2007, no auge dos IPOs, e foi a primeira a ter a ideia.

Nessas redes, tudo também é montado numa velocidade avassaladora - é para ninguém roubar o argumento e sair na frente. "A beleza desse modelo é que você consegue precificar uma ideia. As empresas que aderem, ganham escala e acesso à capital", afirma Guilherme Rocha, analista de Brasil Brokers no Credit Suisse. "O difícil é organizar essa nova empresa na mesma base, criar uma cultura homogênea." Segundo ele, a rede de corretoras, por enquanto, tem conseguido se provar. "Neste ano, pela primeira vez, alcançou margens de lucro melhores que as da Lopes, sua principal concorrente", diz Rocha.

A Brasil Brokers é uma Babel. Hoje, tem 30 sócios gestores, de Norte a Sul do País (e já foi mais que isso). Como todas essas cabeças se entendem é a grande dúvida. Sérgio Freire, presidente e um dos fundadores da companhia, tenta integrar os sócios em reuniões mensais por conference call e trimestrais ao vivo. "Colocamos todo mundo no hotel por dois a três dias para discutirmos os rumos da Brasil Brokers", afirma.

O que dizer, então, de juntar quase 40 donos de agências de turismo e casas de câmbio? Em menos de um ano, Pedro Guimarães, da Plural Capital, e o advogado Luiz Azevedo Sette compraram toda essa turma e estão montando o que dizem ser o maior grupo de turismo da América Latina, superando a CVC.

No começo deste mês, a Brasil Travel encaminhou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o pedido de oferta inicial de ações. Mais uma vez, o negócio só vai adiante se houver o IPO, previsto para o começo de 2012. Os sócios também só serão pagos depois disso - uma parte virá em ações e a outra em dinheiro. O objetivo é captar até R$ 600 milhões (entre oferta primária, para o caixa da empresa, e secundária, para os sócios). Procurados, os sócios da empresa não deram entrevista, alegando período de silêncio imposto pela CVM.

Referência. Nos EUA, dois exemplos são citados como referência para o mercado brasileiro. O primeiro é o da Realogy, do fundo Apollo, que comprou algumas centenas de companhias hoje abrigadas sob as marcas Sotheby’s, Century 21, ERA, entre outras. O outro é o da Regis Corporation, uma rede internacional de salões de beleza com sede em Minnesota e lojas próprias e franquias em 12.700 cidades na América do Norte e Europa.

Depois de montar - e vender - 38 empresas (de factoring a fundição de chumbo), o filósofo gaúcho Alexandre Azambuja está seguindo os passos da Regis no Brasil. Em menor escala, é claro. No começo do mês, a sua Intercosmetic também pediu registro à CVM, mas só de companhia aberta. "Vamos fazer um leilão no balcão organizado para arrecadar R$ 75 milhões. O IPO virá em 2013", diz Azambuja.

No primeiro ano de atuação, pretende chegar a 100 lojas. Sua meta é ter 500 unidades em cinco anos. "Nossa ideia é consolidar redes com até 10 lojas. Tenho vários contratos em negociação", diz. A companhia imaginada por Azambuja será verticalizada, com uma fabrica de cosmético (que também vai ser adquirida) atendendo essa rede.

A Intercosmetic foi criada em junho de 2010 pela Templars Trust, empresa de participação de Azambuja, com sede em Curitiba. Mais recentemente, ele vendeu a maior parte das ações (92%) do projeto para o grupo paranaense Codal, especializado em loteamentos. O filósofo acredita ter encontrado o pote de ouro. "Salão de beleza tem um caixa que é uma vaca leiteira, uma operação pouco sofisticada e está em um mercado extremamente pulverizado", diz. E continua: "Em setores menores, o alvo é muito fraco. Os donos de salão têm dificuldade financeira e o crédito é muito caro. É uma negociação vantajosa. Mas o vendedor também pode ganhar. Se vende sua parte em troca de ações, pode ganhar lá na frente com a valorização do papel na bolsa." Se as baleias vão prosperar, é outro capítulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.