André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão
Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A salvação do Copom

Compressão dos prêmios de risco salvou a sinalização do Banco Central de 45 dias atrás

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2020 | 04h00

A onda de apetite a riscos que vem varrendo os mercados globais desde o início de novembro, levando a uma queda do dólar ante as principais moedas internacionais, incluindo o real brasileiro, e a uma disparada nas Bolsas de Valores, deu um alívio inesperado e bem-vindo ao Copom.

Na sua decisão de hoje, o Copom deve não somente manter inalterada a taxa Selic em 2% como também seguir prometendo que os juros vão permanecer nesse nível por um período prolongado, conforme o seu instrumento mais recente de política monetária: a prescrição futura, ou “forward guidance”, no jargão financeiro em inglês.

Com o ambiente externo favorável, a redução de prêmios de risco exigidos pelos investidores para os ativos brasileiros acabou por validar a sinalização do Copom na sua última reunião, em outubro, considerada mais suave do que o esperado pelo mercado, especialmente em relação ao repique recente da inflação e ao balanço de riscos em torno das incertezas fiscais.

Desde novembro, os investidores estão fechando os olhos para a segunda onda da pandemia de coronavírus, que vem atingindo com força os Estados Unidos e a Europa, e se concentrando no noticiário animador das vacinas contra a covid-19, com a perspectiva de uma retomada vigorosa da economia mundial ao longo de 2021.

Também após a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais americanas, o mercado passou a ficar mais otimista com a aprovação de um novo pacote de socorro fiscal nos EUA, o que aliviaria o impacto de novas medidas restritivas para conter o avanço do coronavírus.

No Brasil, as últimas declarações do governo, em particular do presidente Jair Bolsonaro, de não prorrogar o auxílio emergencial e de manter o teto de gastos intacto em 2021, deram maior confiança aos investidores de que, pelo menos por enquanto, o regime fiscal não será quebrado.

Diante desse quadro benigno no exterior e internamente, o dólar caiu 6,8% e o Ibovespa disparou 15,90%. Na última reunião do Copom, em 28 de outubro, a moeda americana havia fechado em R$ 5,7619. Na manhã desta terça-feira, o dólar chegou a ser negociado abaixo de R$ 5,10, acumulando uma perda de 4,5% em dezembro. E o Ibovespa registrou um ganho adicional de 4,3% nos primeiros cinco pregões deste mês. Sem falar no recuo das taxas dos contratos futuros de juros.

É bom lembrar que analistas e investidores vêm ficando mais desconfortáveis com a prescrição futura do Copom, de manter os juros inalterados por período prolongado, diante das surpresas para cima da inflação e do aumento das expectativas inflacionárias. Aliás, a aceleração da inflação nos últimos dois meses pegou o mercado de surpresa.

Ontem, por exemplo, o IBGE divulgou que o IPCA de novembro subiu 0,89%, ficando acima do teto das estimativas de analistas, que previam uma alta entre 0,70% e 0,85%. Em 12 meses, a inflação acumulada foi de 4,31%, enquanto a meta deste ano é de 4%. Na mais recente pesquisa Focus, as projeções para o IPCA em 2020 subiram para 4,21%, mas as de 2021 estão em 3,34%, abaixo da meta de inflação de 2021, de 3,75%.

Na sua última reunião, o Copom traçou a seguinte narrativa: o recente choque de preços, em particular dos alimentos, é transitório e o regime fiscal não se alterou. Desde então, essa narrativa foi duramente questionada pelos analistas, muitos dos quais duvidaram que o choque na inflação era transitório, especialmente em razão da pressão do dólar e de uma contaminação nos índices ao consumidor da alta nos preços no atacado, que vêm rodando acima de 20% em 12 meses.

De fato, o Copom chegou a ficar contra a parede e ter a prescrição futura seriamente questionada, com alguns analistas importantes apostando em uma alta dos juros mais cedo do que o previsto. De certa maneira, a compressão dos prêmios de risco no Brasil salvou a sinalização do Copom de 45 dias atrás.

Na reunião de hoje, o Copom não mudará absolutamente nada da sua mensagem anterior, atualizando apenas as suas projeções de inflação deste ano e de 2021. Todavia, as incertezas fiscais permanecem. O Congresso nem votou o Orçamento de 2021. E o teto ainda não está a salvo. Mas isso é história para a reunião do Copom do mês que vem. 

*É COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.