Igor Estrela/TST
Igor Estrela/TST

'A sociedade compreendeu as novidades implantadas na CLT', diz presidente do TST

Para Brito Pereira, reforma pode possibilitar pacificação nas relações de trabalho

Entrevista com

Brito Pereira, presidente do TST

Cleide Silva, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2018 | 17h45

Às vésperas do primeiro aniversário da reforma trabalhista, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, João Batista de Brito Pereira, faz um balanço das ações realizadas até aqui. A seguir, os principais trechos da entrevista ao Estado.

Como o sr. avalia esse primeiro ano da reforma trabalhista?

De modo positivo. As modificações introduzidas na CLT vêm sendo debatidas por magistrados e pela doutrina em clima civilizado no campo das ideias.

 

O que mudou em relação ao período antes da reforma?

Houve momentânea redução no número de reclamações trabalhistas, mas já se percebe um aumento, o que revela que a sociedade compreendeu as novidades implantadas na CLT.

Com menor número de novas ações, os tribunais terão mais agilidade nos julgamentos? Vai reduzir o tempo de conclusão de processos? 

Com a redução no número de reclamações trabalhistas, os juízes do trabalho julgaram um grande número de processos pendentes, entre eles processos de execução.

 

O que o sr. espera para os próximos anos?

Espero que a reforma possibilite uma pacificação nas relações de trabalho, porque a Justiça do Trabalho está estruturada para contribuir, com seus magistrados sempre independentes para decidir conforme suas convicções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.