A trajetória da Eldorado

O projeto Eldorado nasceu como uma ação conjunta entre a J&F e a MCL, do advogado paulista Mário Celso Lopes. A empresa tinha a ambição de ser a maior fabricante de celulose de fibra curta do mundo. Depois de investir R$ 6,2 bilhões, boa parte com financiamento do BNDES, ainda está atrás das líderes do setor, Fibria e Suzano. Em 2012, ocorreram duas reorganizações societárias: uma resultou na entrada dos fundos Petros (dos funcionários da Petrobrás) e Funcef (da Caixa) e outra, na saída da MCL, que detinha 25% do capital da empresa. No desenho atual, a J&F detém cerca de 65% do negócio e o restante é detido pelos fundos. Os valores do negócio não foram revelados, mas a compra da parte da MCL foi parcelada e ainda está sendo paga. O fundo tinha um patrimônio de R$ 49 milhões em junho de 2012 e chegou a R$ 120 milhões no fim daquele ano. Hoje, soma R$ 300 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.