bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

A União pouco contribuirá para mais investimentos

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) ou taxa de investimento atingiu 18,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, segundo números oficiais. Dados mais recentes sugerem que a União pouco contribuiu para isso, haja vista os desembolsos do governo federal destinados a investimentos, que cresceram pouco - de apenas R$ 59,44 bilhões, em 2012, para R$ 63,22 bilhões, no ano passado - e, como proporção do PIB, apresentaram um ligeiro recuo, de 1,35% para 1,31%. Os investimentos do governo federal ficaram estagnados em 2013.

O Estado de S.Paulo

07 de março de 2014 | 02h06

Ao anunciar o Orçamento da União para 2014, as autoridades prometeram mais investimento, público e privado, inclusive por causa de receitas de concessões de rodovias e aeroportos. O governo prevê que 1,4% do PIB seja investido neste ano, montante levemente superior ao de 2013.

Mesmo esses pequenos porcentuais são vistos como incertos pelo setor privado: o economista Felipe Salto, da Tendências Consultoria, disse ao O Globo que o mais provável é que, novamente neste ano, os valores orçamentários liberados para investir fiquem próximos de 1,3% do PIB - e a taxa de investimento, em que o maior peso vem das empresas privadas e estatais, se limite a 19% do PIB, porcentual praticamente igual ao do ano passado.

Esgotada a política de estímulo ao consumo, fortalecer o investimento seria a alternativa para elevar a produção, reduzir os gargalos da oferta e recriar condições para o crescimento econômico. Há quase unanimidade em torno disso.

Mas o excesso de despesas correntes impede que a União libere mais recursos para investimentos. E, a rigor, grande parte dos investimentos se origina no programa de habitação Minha Casa, Minha Vida. No Ministério das Cidades, que gerencia o programa, as liberações de recursos para investimento em 2012 e 2013 ficaram praticamente estagnadas, entre 0,31% do PIB e 0,32% do PIB.

Os investimentos federais evidenciam uma anomalia da execução orçamentária, pois a maior parte das liberações de recursos para investimento, no ano passado, veio da rubrica "restos a pagar" do exercício anterior. É uma situação que só se agravou nos últimos anos. Dos R$ 63,22 bilhões liberados em 2013, os "restos a pagar" corresponderam a R$ 36,98 bilhões. Manter a taxa de investimento em 2014 depende, mais do que tudo, do setor privado. Resta, portanto, contar com as empresas para investir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.