Justin Tallis/AFP
Justin Tallis/AFP

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

AB InBev terá crédito de US$ 75 bi para aquisição

Para pagar US$ 106 bilhões pela rival SAB Miller e ampliar liderança no mercado global de cervejas, empresa vai tomar maior empréstimo corporativo já feito

O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2015 | 02h02

A AB InBev vai usar um empréstimo corporativo de US$ 75 bilhões para financiar sua oferta de US$ 106 bilhões (ou £ 70 bilhões) pela rival SABMiller, o que se tornou o maior financiamento já concedido a uma empresa. A informação é do escritório de advocacia que assessorou a transação, o Allen & Overy. Os bancos Santander, Bank of America, Tokyo-Mitsubishi, UFJ, Barclays, BNP Paribas e Deutsche Bank participaram do financiamento.

Até então, o maior empréstimo corporativo já concedido havia sido para a Verizon, que somou US$ 61 bilhões em 2013, de acordo com informações da Thomson Reuters.

"A capacidade da AB InBev levantar US$ 75 bilhões no mercado de dívida no espaço de algumas semanas mostra que os bancos ainda estão dando apoio a grupos de primeira linha, apesar da era atual de aumento da regulação e de custos de capital", disse Nicholas Clark, sócio da Allen & Overy. Ao formar o consórcio de bancos, a AB InBev conseguiu reduzir os custos administrativos da operação, segundo fontes de mercado.

Gigante global. O valor de US$ 106 bilhões, de acordo com o câmbio entre libra e dólar de ontem, avalia a ação da SAB a £ 44, um ágio de 50% em relação ao valor que a companhia era negociada em 14 de setembro, dia que antecedeu os primeiros rumores de mercado referentes a uma possível negociação para a união das duas cervejarias. O negócio enfrentou inicialmente resistência na SAB, mas ganhou força à medida que a AB InBev insistiu e fez sucessivos aumentos em sua oferta.

O acordo prevê que a SABMiller venda a participação de 58% que detém na joint venture MillerCoors ao parceiro Molson Coors Brewing, que detém os outros 42%, por US$ 12 bilhões. A empresa também venderá o negócio internacional da Miller. Como resultado, a Molson passará a ser a segunda maior cervejaria nos Estados Unidos, com uma fatia de 25%, menor apenas que a da AB InBev, de 45%, mas à frente da Heineken.

A venda da MillerCoors é necessária para que a AB InBev garanta aprovação regulatória nos EUA. A empresa também pode enfrentar dificuldades para a aprovação do negócio em mercados , como Colômbia, África do Sul, China, Índia, Canadá e Equador. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.