Abate de suínos é recorde no 3º trimestre de 2015

Alta em relação ao segundo trimestre foi de 5,1%; é o maior resultado das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais desde 1997

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2015 | 12h11

RIO - O Brasil registrou abate recorde de frangos e suínos no terceiro trimestre deste ano, informou nesta terça o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O abate de suínos somou 10,18 milhões de cabeças, alta de 5,1% em relação ao segundo trimestre e aumento de 5,5% frente ao terceiro trimestre de 2014. Foi o maior resultado das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha, iniciadas em 1997.

O peso acumulado das carcaças de suínos alcançou 896,38 mil toneladas no terceiro trimestre. A região Sul respondeu por 66,6% do abate nacional de suínos no período, seguida pelas regiões Sudeste (18,2%), Centro-Oeste (14,0%), Nordeste (1,1%) e Norte (0,1%).

A produção de ovos no terceiro trimestre deste ano bateu recorde, com 749,96 milhões de dúzias, 3,9% mais que a registrada no trimestre imediatamente anterior. Em relação ao terceiro trimestre de 2014, a alta foi de 4,1%.

Frangos. Já o abate de frangos totalizou 1,50 bilhão de cabeças, elevação de 7,1% em relação ao segundo trimestre de 2015 e alta de 6,9% na comparação com o terceiro trimestre de 2014. O peso acumulado das carcaças foi de 3,38 milhões de toneladas. A região Sul respondeu por 60,2% do abate nacional de frangos no 3º trimestre de 2015, seguida pelas regiões Sudeste (19,2%), Centro-Oeste (15,0%), Nordeste (3,8%) e Norte (1,8%).

Bovinos. Em compensação, houve queda no abate de bovinos, que ficou em 7,56 milhões de cabeças, um recuo de 0,9% em relação ao segundo trimestre de 2015 e redução de 10,8% frente ao terceiro trimestre de 2014. O peso acumulado de carcaças foi de 1,87 milhões de toneladas.

A queda no abate de bovinos foi provocada por reduções em 22 das 27 unidades da federação. As principais quedas ocorreram em: São Paulo (-191,21 mil cabeças), Mato Grosso (-160,58 mil cabeças), Minas Gerais (-131,11 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (-116,65 mil cabeças), Paraná (-76,84 mil cabeças), Bahia (-66,52 mil cabeças), Goiás (-60,49 mil cabeças) e Rondônia (-48,98 mil cabeças). Mato Grosso continua a liderar o abate de bovinos, seguido por Mato Grosso do Sul e Goiás.

Mais conteúdo sobre:
Pecuária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.