finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Abear espera contraproposta do governo em até 10 dias

A presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, disse nesta quinta-feira, 19, que o governo federal deve apresentar uma contraproposta à lista de demandas do setor entre oito e dez dias. O dirigente disse que será difícil que o governo concorde em alterar a fórmula de cálculo do querosene de aviação (QAV), em razão de o produto fazer parte do portfólio da Petrobrás, mas afirmou que uma redução de preço no combustível pode ocorrer por meio de corte dos tributos que incidem sobre ele.

WLADIMIR D'ANDRADE, Agencia Estado

19 de setembro de 2013 | 12h37

"Cerca de 20% do que pagamos de QAV consiste em tributos", disse, durante entrevista para a divulgação dos dados do setor em agosto. Sobre o combustível de aviação são cobrados PIS e Confins de, respectivamente, 1,25% e 5,8%. O QAV responde por cerca de 40% dos custos das companhias aéreas no Brasil. "Essa fórmula de precificação do QAV não vai mudar por conta da condição econômica da Petrobrás", disse Sanovicz.

Entre as demandas apresentadas pelas empresas ao governo, como forma de atenuar a crise pela qual passam, está também a adoção da chamada Emenda Dornelles (estender às companhias aéreas isenções tributárias permitidas às empresas de transporte urbano) e a extensão da isenção da tarifas aeroportuárias, previstas para a aviação regional, para todo o setor.

Tudo o que sabemos sobre:
abearcontraproposta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.