Abecip: alta da Selic não deve elevar juros imobiliários

A elevação da taxa básica de juros (Selic) anunciada na quarta-feira, 28, à noite pelo Comitê de Política Monetária (Copom) terá um efeito limitado, com pequena chance de aumentar os juros dos financiamentos imobiliários, avaliou nesta quinta-feira, 29, o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Octávio de Lazari Junior. "A perspectiva de aumento é pequena", disse, estimando uma alta de até 0,5% neste ano, dado o ciclo de elevação da Selic.

CIRCE BONATELLI, Agencia Estado

29 de agosto de 2013 | 12h52

Lazari lembrou que, com a elevação da Selic de 8,5% para 9,0% ao ano, a poupança volta a ter uma remuneração mais alta, de 0,5% ao mês mais Taxa Referencial (TR), o equivalente a 6,17% ao ano. Isso poderia encarecer o crédito imobiliário, cuja principal fonte de recursos são as cadernetas de poupança. "Isso poderia implicar em taxa de juros mais alta para o crédito imobiliário numa visão simplista, mas há muitas nuances", ponderou o executivo.

Segundo o presidente da Abecip, há uma forte concorrência dos bancos pelas carteiras de crédito imobiliário, tendo em vista a baixa inadimplência desse segmento e a fidelização dos clientes por um longo período. Os financiamentos para aquisição de imóveis podem ser amortizados em até 25 anos a 30 anos.

"Por esses fatores, entendemos que seja muito difícil uma alta generalizada (nos juros dos financiamentos imobiliários). Talvez ocorra alguma alta pontual de até 0,5% neste ano. O mercado tem bons indicadores e a competição está acirrada", observou.

Tudo o que sabemos sobre:
Abecipcrédito imobiliárioSelic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.