Abecip propõe deduzir poupança do IR

Utilizar parte dos recursos da caderneta de poupança para abater a renda bruta anual e pagar menos imposto de renda. A proposta está sendo estuda pelo governo como uma maneira de estimular o investimento em caderneta e gerar mais recursos para a construção de imóveis.A informação é do consultor técnico da Associação Brasileira das Empresas de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), José Pereira Gonçalves. Segundo ele, até 1988 um sistema semelhante estava em vigor. A idéia é simples. Utiliza-se um porcentual do saldo médio da caderneta para se abater da renda bruta anual do contribuinte.Como funcionariaSuponha que o saldo médio da sua caderneta seja de R$ 10 mil, e que você possa usar der 4% desse valor (como era até 88), ou seja, R$ 400 para abater da sua renda bruta que foi, imagine, de R$ 50 mil. Na hora de declarar o imposto de renda, a mordida do leão incidiria sobre R$ 49.600. Ou seja, o total dos rendimento anuais menos os 4% do saldo médio da caderneta de poupança. "O contribuinte poderia pagar menos imposto e ter uma restituição maior", explica Gonçalves.Vantagens para o governoO consultor da Abecip acha que a equipe econômica não teria motivos para discordar da proposta. "Isso aumentaria os depósitos em caderneta que seriam canalizados para alavancar a indústria da construção", diz Gonçalves. "O governo está preocupado com o desemprego e a indústria da construção é o setor que mais emprega", lembra.Ele avalia que parte da renúncia fiscal seria compensada pela cadeia tributária que incide na construção civil. "Os impostos viriam da construção e também dos móveis e eletrodomésticos que o consumidor vier a comprar para mobiliar uma casa", sugere. Porém, não existe nenhum estudo comprovando que não haveria renúncia fiscal significativa. De qualquer modo, não há prazo para as discussões terminarem.Saldo negativo aumentaO interesse em reavivar a aplicação em caderneta surgiu devido ao aumento dos saques. As contas de caderneta de poupança tiveram em agosto uma perda líquida de recursos de R$ 267,882 milhões, segundo o Banco Central (BC). Em julho, a perda líquida de recursos das contas de poupança tinha sido de R$ 49,239 milhões.José Pereira Gonçalves explica que, desde junho, a captação das cadernetas melhorou por conta das férias e do adiantamento do 13° salário. "Muita gente aplicou o dinheiro", diz. Além disso, apesar do saque elevado em agosto, o número diminuiu bem em relação a maio, quando as retiradas ultrapassaram os R$500 milhões.Contas e pior rendimentoOutro fato que justificaria a perda de recursos é o aumento das vendas à vista. O consumidor, na avaliação da Abecip, estaria utilizando o dinheiro aplicado para saldar as contas e fugir dos juros altos do crediário. Mas Gonçalves também admite que o rendimento dos Fundos de Investimento, melhor que o da caderneta, tem atraído mais investidores. Mas ele conclui: " A tendência agora é de uma estabilidade nos saques".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.