Abef vê expansão menor da exportação de frango em 2009

O volume embarcado no ano passado subiu 11% frente a 2007; para este ano, expansão esperada é de 5%

REUTERS

13 de janeiro de 2009 | 13h36

As exportações de carne de frango do Brasil devem apresentar um crescimento menor em 2009 devido à crise financeira mundial, avaliou nesta terça-feira a Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos (Abef). O volume embarcado no ano passado totalizou 3,6 milhões de toneladas, aumento de 11 por cento frente ao registrado em 2007. Para 2009, a Associação espera uma expansão de 5 por cento nas exportações. "As expectativas apontam para um desempenho menos expressivo em 2009, porém ainda com algum crescimento", disse a Abef em comunicado. A Associação não fez uma estimativa para o comportamento das receitas este ano. Em 2008, as exportações de carne de frango geraram uma receita de 6,9 bilhões de dólares, o que representou um aumento de 40 por cento frente a 2007. A associação avalia que a crise atual não é de demanda por alimentos, mas sim de liquidez por parte de alguns importantes mercados compradores, o que deve garantir um crescimento das exportações, ainda que em ritmo mais moderado. Para a Abef, "o setor exportador de carne de frango bateu novo recorde (em 2008), mas o resultado seria ainda mais positivo não fossem os impactos da crise financeira internacional, a partir de outubro." Em dezembro, as exportações brasileiras de carne de frango somaram 267 mil toneladas, uma queda de 11 por cento em relação ao mesmo mês em 2007. O impacto da crise levou a Abef a recomendar em dezembro uma redução de 20 por cento na produção destinada à exportação, para evitar excesso de oferta. Em 2009 a entidade diz que partirá em busca da abertura de mais mercados, como México, Indonésia, Malásia, Jamaica, Filipinas, Senegal e Argélia. (Reportagem de Camila Moreira)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSFRANGOSATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.