Aberto o caminho para a belga Interbrew se aliar à Ambev

A cervejaria Fomento Economico Mexicano (Femsa) anunciou, hoje, que suspendeu a injunção contra a Interbrew, sua parceira, o que abre caminho para que a companhia belga complete sua aliança de US$ 11 bilhões com a brasileira Ambev. O anúncio do acordo fazia as ações da Interbrew liderarem o bloco positivo na Bolsa da Bélgica, com alta de 2,6% e um volume forte de transações. A Interbrew e a Femsa vão desmontar a participação cruzada que possuíam, com a Femsa assumindo 100% de seu controle. Como parte do acordo, a Femsa vai adquirir os 30% de sua participação que estava nas mãos da Interbrew por US$ 1,245 bilhão em dinheiro. Segundo o press release divulgado pela Femsa, os direitos sobre as marcas Femsa nos EUA serão devolvidos para a Wisdom Import Sales, uma subsidiária controlada totalmente pela Femsa Cerveza. Em troca, a Femsa vai sair da cervejaria canadense Labatt, que controlava os direitos de distribuição das cervejas Femsa nos EUA. A Femsa também suspendeu a ação judicial que tinha contra a Interbrew.A cervejaria belga mantinha um casamento infeliz com a Femsa há anos. A Interbew tinha adquirido, indiretamente, os 30% da unidade Femsa Cerveza, quando comprou a Labatt em 1995. A Labatt também controlava os direitos de distribuição da Femsa Cerveza nos EUA. Mas quando a Interbrew comprou a alemã Becks em julho de 2001 e tentou distribuir essa marca por meio da Labatt EUA, a Femsa ganhou uma ação contra a cervejaria belga impedindo o negócio. Como conseqüência, a Interbrew teve de criar uma companhia separada para distribuir a Becks nos EUA. Após a Interbre ter assinado um acordo de fusão com a Ambev, em março, a Femsa voltou a processar a empresa belga, argumentando que a fusão violava os direitos dos minoritários. Como parte do acordo, a Interbrew tinha se comprometido a dar à Ambev a sua participação de 30% na Femsa Cerveza e a sua participação de 70% na Labatt EUA. ConsequênciasO desmonte da participação cruzada entre a Femsa e a Interbrew terá conseqüências sobre a fusão da companhia belga com a brasileira Ambev, já que a contribuição da empresa ao acordo diminuirá. Com isso, a Interbrew reduzirá o controle sobre a Ambev, o que significa que a diluição dos minoritários será um pouco menor. A companhia terá 83,9% dos direitos a voto, ante os 84,9% previstos anteriormente. O interesse econômico da Interbrew na Ambev cairá de 57,5% para 54,4%. Segundo informou, sexta-feira, a editora do Companhias Abertas, Daniela Milanese, o fim da participação cruzada da Interbrew/Femsa significa que a companhia brasileira não irá incorporar os ativos mexicanos e terá de encontrar outra forma de entrar nesse mercado. Para a Interbrew, o fim da participação cruzada na Femsa era visto como positivo nos mercados europeus. De seu escritório em Amsterdã, o analista da Delta Lloyd Securities, Richard Withagen, considerou que o acordo Interbrew e Femsa elimina um obstáculo importante para o negócio da empresa belga com a Ambev e diminui a incerteza sobre a transação. O analista manteve o rating "outperform" para a Interbrew. O analista do Banco Degroof, Christophe Piron, por sua vez, elevou a recomendação da Interbrew de manter para comprar. Um porta-voz da Interbrew afirmou que a companhia vai agora completar o acordo com a Ambev, o que deve ocorrer no terceiro trimestre.As informações são da agência Dow Jones

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.