ABGF poderá ter até 9 empregados próprios

O Ministério do Planejamento fixou em nove empregados o limite máximo para o quadro de pessoal próprio da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), estatal recém-criada para dar garantias aos grandes projetos de concessão de infraestrutura que devem ser leiloados pelo governo nos próximos meses e também a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

LUCI RIBEIRO, Agencia Estado

29 de agosto de 2013 | 08h46

Segundo portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), serão contabilizados nesse limite - além dos empregados com cargos, empregos ou funções comissionadas - os empregados requisitados de outros órgãos e os empregados afastados por doença, acidente de trabalho ou qualquer outra razão.

Apelidada de Segurobrás, a ABGF foi instalada esta semana. O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Carlos Márcio Cozendey, será o presidente do Conselho de Administração da estatal. Também foram nomeados os servidores Renato Gerúndio de Azevedo, funcionário do Banco do Brasil, como diretor de Operações; e Ronaldo Camillo, analista de Finanças e Controle, como diretor Administrativo e Financeiro da nova estatal.

Com sede em Brasília e capital inicial de R$ 50 milhões, a ABGF vai gerir, entre outros, dois grandes fundos: um para o financiamento de infraestrutura (FGIE), com recursos de até R$ 11 bilhões, e outro para comércio exterior (FGCE), com capital de até R$ 14 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
ABGFDOUempregados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.