Abia prevê crescimento de 3% nas vendas de alimentos em 2005

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), Edmundo Klotz, disse hoje que o crescimento das vendas físicas do setor neste ano deve, no máximo, repetir o desempenho de 2004, quando o aumento foi "pequeno", de apenas 3% sobre 2003. No ano passado, o faturamento teve um incremento de pouco menos de 10%, para US$ 176 bilhões, "mas o que importa mesmo são as vendas reais", disse.Segundo ele, a indústria de alimentos tem aproveitado o dólar fraco e os estímulos para compra de equipamentos para investir em modernização e ampliação da capacidade instalada. Na média, a ociosidade do setor está em 25%, o que elimina qualquer possibilidade de gargalo produtivo, mesmo com um eventual aumento da demanda. "Podemos crescer bastante sem fazer novos investimentos", afirmou Klotz, que participou da abertura da 21ª Fispal, no Anhembi.Na avaliação do executivo, as grandes e médias empresas estão "indo bem", mas o cenário é mais complicado para as micro e pequenas empresas, que sofrem com a inadimplência e têm pouco oxigênio para se financiar.De forma geral, segundo Klotz, a indústria de alimentos avança de forma vegetativa, acompanhando mais o crescimento da população do que a economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.