Abiec decide não comprar carne de áreas desmatadas

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne (Abiec), Roberto Giannetti da Fonseca, afirmou hoje que a associação assinará um termo de conduta com o governo comprometendo-se a não comprar carne de áreas desmatadas e a preservar o meio ambiente. Ele deu a informação ao chegar no Senado, onde participa de audiência pública extraordinária na comissão da agricultura para discutir a situação dos frigoríficos.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

23 de junho de 2009 | 10h52

"É um compromisso com a sociedade brasileira. Vamos evitar a comercialização de gado originário em áreas desmatadas", afirmou. Esta atitude por parte da Abiec faz parte de uma corrente que vem crescendo. A rede de supermercados Wal-Mart, por exemplo, encabeça um boicote de redes de supermercados que também se comprometerem a não adquirir carne sem conhecimento da proveniência.

Apesar do comprometimento, Giannetti da Fonseca comentou que um dos piores problemas do setor diz respeito ao abate clandestino, que representa aproximadamente 30% da atividade total do setor. Ele explicou que o Brasil produz aproximadamente 9 milhões de toneladas de carne por ano, das quais cerca de 2 milhões de toneladas são exportadas. "Estamos preocupados com essa questão porque isso denigre a nossa imagem como fornecedores competitivos de carne bovina, e somos reconhecidos como bons produtores", argumentou o presidente da Abiec.

Tudo o que sabemos sobre:
frigoríficoscarnedesmatamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.