carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Abílio Diniz reafirma confiança em crescimento econômico este ano

O presidente do conselho de administração do Pão de Açúcar disse que o País vai continuar distribuindo renda e melhorando as perspectivas das empresas

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2011 | 14h43

O presidente do conselho de administração do Pão de Açúcar, Abílio Diniz, reafirmou nesta quinta-feira, 24, durante abertura de teleconferência com analistas, a confiança no crescimento econômico em 2011 e dos resultados da companhia. "O País vai continuar distribuindo renda e melhorando as perspectivas das empresas. Mantemos nossa confiança, sem receios, sem a mesma opinião de quem espera queda do consumo interno pela alta da inflação e dos juros", afirmou, acrescentando que as questões de juros e inflação estão sendo "equacionadas pela presidente Dilma Rousseff e pela equipe econômica".

Segundo o presidente do Pão de Açúcar, Enéas Pestana, os atuais níveis de emprego, que puxam a distribuição de renda, e a aceleração do desenvolvimento imobiliário, aliados a futuros eventos esportivos como Copa do Mundo e Olimpíadas, manterão o mercado de consumo aquecido. "Todos estes aspectos nos fazem manter espírito de confiança, com a certeza de manutenção do crescimento", afirmou. Pestana destacou as perspectivas para o crescimento das vendas de eletroeletrônicos e eletrodomésticos, considerados mercados "que ainda estão nascendo e que vão crescer muito."

O vice-presidente de negócios de varejo do Pão de Açúcar, José Roberto Tambasco, ressaltou que o processo de conversões das bandeiras CompreBem e Sendas para Extra, que deverá estar encerrado este ano, vem seguido de atualizações no mix de produtos destas lojas, para se adequar às necessidades dos clientes. "Atendendo melhor a demanda do consumidores, elevamos o tíquete médio e melhoramos as margens", afirmou, dando como o exemplo o caso dos produtos perecíveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.