finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Abilux: não compre lâmpada fluorescente agora

Os consumidores que pretendem comprar lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas devem esperar a normalização dos estoques, quase esgotados no mercado, e não se sujeitar aos preços extorsivos que vêm sendo praticados pela maior parte dos revendedores.O alerta foi feito hoje (28) pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria de Lâmpadas e Aparelhos de Iluminação (Abilux), Carlos Eduardo Uchôa Fagundes. Ele disse que a falta momentânea de lâmpadas no mercado, às vésperas do racionamento, tem assustado consumidores e "os lojistas estão cobrando por elas até três vezes mais" do que o preço normal. "Há milhões de lâmpadas já encomendadas pelos importadores, grande parte dos pedidos será transportado por aviões e, em poucas semanas, o mercado estará totalmente regularizado", assegurou Fagundes. Ele disse que as primeiras remessas começam a chegar nos próximos dias, assim que o governo federal anunciar a redução temporária do Imposto de Importação (II) do produto. As empresas pediram redução do tributo de 18% para 1%. Fagundes disse que o setor espera "para hoje ou amanhã" o anúncio oficial da medida.A Abilux informou que tem mantido negociações com o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, para que o desembaraço alfandegário das lâmpadas seja acelerado. As lâmpadas compactas fluorescentes de 15 watts produzem corrente luminosa correspondente às lâmpadas incandescentes normais de 75 watts.Fagundes informou também que as importadoras já estão concluindo as negociações com as empresas distribuidoras de energia para assegurar o fornecimento de 10 milhões de lâmpadas que serão distribuídas gratuitamente à população carente. A medida foi determinada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e terá o objetivo de economizar 800 MW, o equivalente à produção de uma usina do porte de Angra 1.

Agencia Estado,

28 de maio de 2001 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.