Abimaq quer juros menores para financiamentos

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Carlos Delben Leite, afirmou esperar que a queda de 0,5 ponto percentual que o Comitê de Política Monetária (Copom) promoveu na Selic, para 18% ao ano, force o sistema financeiro a cortar também as taxas de juros dos financiamentos. "Esse corte é um estímulo ao investimento na produção e à volta ao crescimento, mas tem que ser acompanhado de menores juros nos financiamentos", disse. Segundo ele, o impacto psicológico da medida do BC é imediato, mas o efeito real na economia é tardio, demorando de cinco a seis meses para aparecer. "Não sei por quê o governo não promoveu esse corte antes, havia condições para isso. Hoje suportamos uma taxa em torno de 14% a 14,5% sem problemas", completou.

Agencia Estado,

18 de julho de 2002 | 07h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.