Abimaq: setor deve fechar 2012 com déficit histórico

O setor de máquinas e equipamentos deve fechar o ano de 2012 com déficit comercial de US$ 20 bilhões, segundo informou na tarde desta quarta-feira a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). No acumulado do ano até julho, o déficit para o setor foi de US$ 10,541 bilhões, uma alta de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2011.

BEATRIZ BULLA, Agencia Estado

29 de agosto de 2012 | 17h09

De acordo com o vice-presidente da Abimaq, Carlos Pastoriza, caso a projeção se confirme, será o maior déficit já registrado pelo setor. Em 2011, a indústria de máquinas e equipamentos teve saldo comercial negativo de US$ 17,8 bilhões. "Poderá ser um pouco menor se o Brasil não se recuperar e, por conta disso, houver um consumo de máquinas menor no último semestre do que o esperado", afirmou, em coletiva de imprensa.

Ele explicou que, caso a economia não se recupere a ponto de estimular a demanda de máquinas e equipamentos, as importações devem diminuir, o que implicaria um menor déficit. "A velocidade de crescimento do déficit da balança está diminuindo, mas não é por uma vitalidade nossa. É porque o consumo de máquinas no Brasil está dando uma freada forte há três meses", disse Pastoriza, em coletiva de imprensa, reiterando que os importados estão tomando conta do mercado interno.

A expectativa da Abimaq é de que a economia retome fôlego a partir do quarto trimestre deste ano, como resultado das medidas do governo federal. "As medidas anunciadas anteriormente que incluíam financiamentos com juros em condições interessantes pelo Finame e desoneração da folha de salários terão efeito positivo mais a curto prazo, mas são medidas que começaram a valer esse mês", disse Pastoriza, que completou: "Poderemos sentir um efeito positivo a partir do quarto trimestre desse ano".

Tudo o que sabemos sobre:
indústriamáquinasdéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.