Abinee alerta para risco de apagão e cobra governo

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, afirmou hoje que o governo precisa iniciar "prontamente" uma campanha de conscientização sobre o consumo racional de energia, como uma alternativa de afastar o risco de apagão. "O governo não quer admitir, mas existe o risco e, se não for feito um trabalho agora, a população poderá ser pega de surpresa", disse.Para ele, as autoridades não devem se preocupar apenas com a questão política ao tratar o tema. O presidente da Abinee lembrou da campanha de racionamento realizada em 2001, que amenizou os impactos da falta de abastecimento de energia naquele período.Entre as ações preventivas que devem ser tomadas pelos consumidores, na opinião de Barbato, a substituição de lâmpadas incandescentes por econômicas e o uso comedido de outros eletrodomésticos são ações que podem ser feitas no cotidiano. "O conjunto destas medidas pode ajudar a evitar o risco de apagão", reiterou.O baixo nível de água nos reservatórios, a escassez de chuva e a "quantidade insuficiente" de gás para abastecer usinas termelétricas, indústrias e o mercado automotivo preocupam o presidente da Abinee. "O setor industrial se deslocou todo para o gás natural e, agora, voltar ao GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) traria custos enormes", justificou.Ele acredita que esta mudança da matriz energética na indústria poderia acarretar uma inflação nos preços. Barbato destacou que os produtos do setor eletroeletrônico, principalmente, os de linha branca, possuem compromisso com a eficiência energética. "As melhorias dos produtos vêm sendo atendidas pelas indústrias há alguns anos", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.