Abit critica cancelamentos dos leilões de algodão

?O cancelamento dos leilões de algodão dos estoques oficiais é lamentável e resultará em mais importações da fibra?, avaliou Paulo Skaf, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit). Skaf pediu pessoalmente ao ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, uma contenção das exportações de algodão neste momento em que a produção interna foi menor e a indústria se encontra desabastecida. A exclusão dos exportadores dos leilões dos estoques oficiais teria, supostamente, resultado das conversas entre Skaf e Pratini. "Nós sempre apoiamos a produção e até mesmo a exportação de algodão, mesmo entendendo que é melhor para o País exportarmos tecidos e confecções, e não matéria-prima", disse Skaf. "Neste momento de desabastecimento, não é do interesse do Brasil exportar algodão, cujos preços em dólar subiram 30% este ano. Para Skaf, a atitude da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), que ingressou com a ação que possibilitou a suspensão dos leilões, demonstra "falta de nacionalismo e de espírito de corpo numa situação pontual". "Até porque o governo mantém estoques oficiais para abastecimento, e não para exportar. É lamentável", afirmou. Ele disse ainda que a única alternativa para a indústria, diante da escassez interna de algodão, será importar. Vale lembrar que o momento é inadequado a importações, dada a desvalorização cambial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.