seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

ABN adia publicação de resultado para fevereiro

O banco holandês ABN AMRO não vai maisdivulgar o resultado do terceiro trimestre na quinta-feira,como anunciado anteriormente, informou um porta-voz nestaterça-feira. O banco holandês vai agora publicar seu balanço junto com oresultado anual do Royal Bank of Scotland em 28 de fevereiro,afirmou o ABN em comunicado. Segundo analistas, os negócios do ABN se sustentaram noterceiro trimestre, mesmo durante a desaceleração final durantea concorrida disputa pelo banco entre Barclays e o consórcioformado por Royal Bank of Scotland, Fortis e Santander, vencidapor este último. O ABN deveria divulgar lucro líquido entre 1,09 e 1,35bilhão de euros, ou 0,59 a 0,73 euro por ação, de acordo comduas projeções fornecidas à Reuters. Analistas reduziram ouencerraram a cobertura do banco. O foco estará na saúde das unidades de varejo do banco naHolanda e de private banking, que serão assumidos pelo Fortis edevem ser os negócios mais complicados a serem integrados. "Nós esperamos resultados satisfatórios das partes que oFortis vai adquirir", disse Cor Kluis, analista do Rabobank, emrelatório. A integração de outras partes do ABN, como as operaçõesitalianas e brasileiras que irão para o Santander, e asoperações de atacado, que serão assumidas pelo Royal Bank ofScotland, deve ocorrer de forma suave. O ABN afirmou no mês passado que ainda esperava atingir ameta de 2007, de lucro por ação de 2,30 euros. Royal Bank of Scotland, Fortis e Santander já assumiram oABN e não estava claro se a reunião extraordinária comacionistas que seria realizada na quinta-feira após adivulgação dos resultados será mantida. Neste encontro seria decidido se Mark Fisher, do Royal Bankof Scotland, seria nomeado presidente-executivo do ABNsubstituindo Rijkman Groenink, que está se aposentando. Fisher, 47, destacou-se como um dos arquitetos dabem-sucedida integração com o National Westminster e atualmentecomanda as unidades de tecnologia da informação, serviços desuporte e compras no Royal Bank of Scotland. Seu currículo seráútil para orquestrar a divisão do ABN e achar meios de cortarcustos, segundo analistas. A divisão dos negócios do ABN deve começar em 2008 eespera-se que leve três anos para ser concluída. Outrapreocupação é a minuciosa avaliação dos órgãos regulatórios,que deve levar três anos. (Por Reed Stevenson)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.