ABN-Amro eleva recomendação da dívida do Brasil

O banco de investimentos ABN Amro elevou a recomendação para os títulos da dívida do Brasil de "neutral" para "overweight" (peso acima da média). Também foi elevada a recomedação do Equador de "neutral" para "overweight". No caminho inverso, o ABN Amro rebaixou as dívidas do México e da Rússia de "overweight" para "neutral" e também rebaixou as dívidas do Chile e da África do Sul de "neutral" para "underweight" (peso abaixo da média). Segundo o diretor de pesquisa e de estratégia para mercados emergentes do ABN Amro, Arturo Porzecanski, e o estrategista de renda fixa para mercados emergentes, James Sha, os títulos da dívida do Brasil e do Equador ainda têm potencial para continuar apresentando o "rally" (alta forte) observado nos últimos meses. Porzecanski e Sha disseram que, no caso do Brasil, as metas fixadas pelos analistas do banco para preço dos títulos da dívida e os spreads já foram atingidas, mas acabaram sendo revisadas para cima devido ao fluxo positivo de notícias sobre a economia brasileira e também à avalanche de investidores em busca de maiores "yields" (taxas de retorno). Para eles, aos níveis de 900 pontos-base a 1.000 pontos-base, os títulos brasileiros continuam bastante atrativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.