ABN-Amro rebaixa recomendação sobre o Brasil

O banco de investimento ABN-Amro rebaixou hoje sua recomendação para a dívida do Brasil, de overweight (peso acima da média) para neutral (neutro). O banco também reduziu sua exposição às dívidas do Equador e Turquia, ambas de neutral para underweight (peso abaixo da média). Na revisão da sua carteira de títulos para mercados emergentes, o ABN-Amro elevou a recomendação do México, de neutral para overweight, e da África do Sul, de underweight para neutral.Apesar de acreditarem que o forte movimento de queda nos papéis de dívida de emergentes registrado recentemente foi "exagerado" e "sem justificativa com base nos fundamentos de crédito", os estrategistas Arturo Porzecanski e James Sha decidiram ajustar as recomendações para as dívidas dos países e de posições para refletir as novas circunstâncias. Eles estão recomendando aos investidores a assumir, "de forma mais agressiva, uma postura defensiva".Arturo Porzecanski e James Sha ressaltaram que, no caso do Brasil, a forte queda ("sell-off") foi exagerada e injustificada, mas que a forte deterioração do sentimento de mercado e o reflexo disso nos spreads e preços da dívida nas duas últimas semanas não podem ser ignorados. "É irônico que o fluxo de notícias vindas do Brasil nas duas últimas semanas, de fato, tenha melhorado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.