ABN recomenda Copel

A principal recomendação do ABN Amro no setor de geração de energia do mercado de ações é a Copel. O preço-alvo estipulado para os papéis é de R$ 26,73, o que significa um potencial de alta nos próximos 12 meses de 63,99% em relação ao fechamento de quinta-feira."A Copel é uma das companhias melhor posicionadas para se beneficiar do mercado livre de geração de energia no Brasil a partir de 2003", diz a analista Luciana Portolano, em estudo preparado recentemente. A maior vantagem competitiva, segundo ela, é o baixo custo de geração da empresa. O segmento das geradoras é o preferido pelo banco na área de energia. Luciana lembra que o Brasil enfrenta um risco crescente de déficit energético, que pode levar a condições críticas de 2001 em diante.Os principais problemas no curto prazo são o baixo nível de chuvas e o fato de o sistema estar operando a plena capacidade, o que reduz os níveis já baixos de água. O problema de longo prazo é a tendência de a demanda superar a oferta. A Copel pretende ganhar participação de mercado por meio da expansão da base industrial de consumo. Pelos acordos, a empresa fornecerá, por cinco anos, 109 MW para a Carbocloro e 10 MW para a Volkswagen, ambas no Estado de São Paulo. Com a Elektro, distribuidora no mesmo Estado, a Copel assinou um contrato de dois anos para fornecer 50MW. Esses contratos representam um acréscimo de R$ 50 milhões na receita da companhia em 2000. Cemig pode se beneficiarCemig é outra companhia que pode se beneficiar do cenário traçado, segundo o relatório. O preço-alvo com prazo de 12 meses é de R$ 42,87. Isso significa um potencial de alta de 33,97% em relação ao fechamento da última quinta-feira. Segundo a analista, as ações estão subavaliadas no mercado.Segundo a analista, a companhia deve elevar sua lucratividade por meio de novos projetos e a margem operacional deve crescer de 25,4% em 2001 para 33,5% em 2006. O objetivo da Cemig, diz Luciana, é aumentar sua participação no mercado pela conquista de novos consumidores no mercado livre. A estratégia será oferecer um leque amplo de serviços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.