Abranet: fim do acesso gratuito é natural

O presidente da Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações da Rede Internet (Abranet), Roque Abdo, acredita que o fim do acesso gratuito é uma tendência natural nesse mercado. "Trata-se de um modelo inviável no Brasil, dado os altos custos em se prover acesso", ressaltou. Segundo ele, as tarifas da Embratel, responsável por cerca de 85% dos serviços oferecidos pelos provedores, permanecem em níveis elevados há quatro anos. Abdo também reclamou a ausência de um compartilhamento de receitas entre provedores e empresas de telefonia, uma vez que a Internet acaba aumentando os ganhos das teles com os pulsos das ligações. Diante disso, os sites lançaram-se a meios alternativos para compensar a receita perdida com os clientes, como a busca por publicidade.De acordo com ele, estimava-se no início do ano que a cifra pudesse alcançar R$ 200 milhões em 2000, mas as análises recentes apontam para algo em torno de R$ 90 milhões. Ele afirmou que outro caminho traçado pelos provedores foi a aposta em comércio eletrônico, o que esbarra na falta de cultura local quanto às transações eletrônicas. Abdo observou também que as margens de lucro nesse tipo de negócio são reduzidas, uma vez que cabe ao provedor um porcentual sobre produtos que são vendidos a preços abaixo do mercado tradicional.

Agencia Estado,

10 de outubro de 2000 | 18h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.