Abras: vendas dos supermercados devem ficar estáveis

O superintendente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Tiaraju Pires, destaca que a alta dos preços dos alimentos nos supermercados deve manter o volume das vendas estáveis no trimestre encerrado em julho. Ele projeta que o volume cresça aproximadamente 0,5% em relação ao trimestre imediatamente anterior. "Não há nenhum cenário que aponte para uma queda neste indicador", disse.Com base nos dados coletados até maio, Pires projeta uma expansão mensal de 6% no faturamento das vendas até o final do ano. "O cenário econômico é saudável e vamos começar a sentir já no próximo mês o impacto do reajuste do Bolsa Família", afirmou Pires.Segundo ele, nem mesmo o aumento nos preços da cesta de produtos medidos pela Abras em maio, de 16,6% na comparação com o mesmo período do ano passado e 2,7% ante abril, vai comprometer o crescimento. "O aumento no preço da cesta não deve se perpetuar", afirma, acrescentando que a elevação na taxa de juros e a desova do estoque regulador de arroz pelo governo devem controlar os preços nos próximos meses.Sobre as perspectivas para as vendas em 2008, ele diz que ainda é preciso avaliar os resultados fechados do primeiro semestre para revisar as projeções, que atualmente estão entre 4% e 4,5% na comparação com o ano passado. "Precisamos ainda avaliar os próximos indicadores de inflação para ver seus impactos nas vendas dos supermercados, explica.O superintendente da Abras ressalta que as vendas nos supermercados ainda não sofrem os impactos do aumento da taxa de juros, iniciada em abril pelo Banco Central. "Apesar dos juros terem crescido, o consumidor não está sentindo. Não estamos sentindo ainda nenhuma contenção das vendas a crédito de produtos não alimentícios."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.