Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Abrasca considera que ?2003 é mais um ano perdido"

O presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), Alfried Plöger, diz que 2003 é "mais um ano perdido". Ele fez a declaração ao avaliar a redução na estimativa do governo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2003 de 1,5% para 0,98%. O empresário observa que é possível se esperar "uma discreta melhora na atividade econômica neste final de ano, dada a sazonalidade de vendas no Dia das Crianças, pagamento de 13º salário e vendas natalinas", mas "não será um espetáculo de crescimento". Ele diz que apesar da queda os juros ainda são os maiores do mundo. Plöger diz que houve uma redução nas taxas de juros no cheque especial de 180% ao ano para 150% ao ano, "mas mesmo assim está longe de inflações anuais esperadas de 9% a 10%". No setor em que atua livros didáticos- há uma paralisação, pois o governo ainda não liberou a compra dos livros escolares, exemplificou. O setor automobilístico e o de eletrodomésticos também não estão reagindo apesar de algumas medidas recentes de incentivo como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados e a criação de linhas de financiamento para eletrodoméstico (linha branca) por bancos como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, diz. O presidente da Abrasca está trabalhando com uma expectativa de crescimento do PIB inferior a 1,5% do ano passado. "A evolução do PIB este ano deve ficar entre 0,5% e 1%, enfim mais um ano perdido", concluiu o empresário.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2003 | 15h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.