‘Acabou a fase de lançar e vender tudo em um fim de semana’

Executivo, no entanto, vê desempenho como saudável, mas diz que confiança caiu por causa da economia

Roberta Cardoso, ESPECIAL PARA O ESTADO ,

29 de maio de 2014 | 09h50

SÃO PAULO - "Acabou a fase de lançar e vender tudo em um único fim de semana. Ainda temos um desempenho saudável. Mas, hoje, inauguramos e vendemos a metade. Com a economia andando lentamente a confiança caiu", afirma o diretor financeiro da Yuny Incorporadora, Estácio Sá.

A empresa ficou em sétimo lugar no ranking das Incorporadoras do Top Imobiliário, a tingindo 29,56 pontos por sua atuação em 2013.

A previsão da Yuny é de encerrar este ano com um volume de transações estimado em R$ 1 bilhão, o mesmo montando alcançado no ano passado. Para 2015, a incorporadora vai esperar o resultado da eleição presidencial antes de estabelecer metas.

Ajustes. "Difícil prever o que acontecerá no ano que vem. Um ano pós-eleições é de ajustes no governo. Mudanças no setor podem acontecer. Talvez o setor não chegue tão ativo a 2016 ou 2017", pondera Sá.

Já Antonio Setin, presidente da incorporadora Setin, décima colocada no Top Imobiliário com 24,74 pontos, admite a existência de uma certa instabilidade de mercado. "Hoje, temos mais estoque e menos lançamentos", afirma.

Para o proprietário da incorporadora, no entanto, ainda não há motivos para desconfianças. "Aprendi que quanto pior o mercado está, melhor para as empresas sérias. Esses movimentos são uma correção em um setor que recebe muitos aventureiros", diz.

A meta da Setin é encerrar o ano alcançando as metas, estipuladas em até R$ 1 bilhão, contra R$ 1, 3 bilhão de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.