Academias dão descontos para contratos longos

As academias de ginástica costumam oferecer diversas formas de contratação. O chamado plano mensal costuma ser o mais caro. Os demais variam entre dois, três e seis meses ou um ano. Por serem mais vantajosos, o consumidor fecha contrato com a academia por períodos maiores. O pagamento deve ser feito com cheques pré-datados, com débito em data combinada, ou cartão de crédito também com débito programado mês a mês.O objetivo desses planos promocionais é garantir a adesão do aluno por um prazo maior e assegurar à academia um ganho certo durante o período. O planejamento da empresa está baseado nestes valores previstos. Por isso, há tantas resistências quando o aluno desiste e pede o dinheiro de volta. As academias não devolvem o dinheiro e costumam oferecer uma outra alternativa ao cliente: a transferência do plano a outra pessoa - que pagaria as diferenças a ele, eximindo a empresa de qualquer responsabilidade no negócio - ou trancar a matrícula por um prazo estipulado entre as partes - assim, os cheques continuariam sendo depositados.Apesar de ser uma prática generalizada, o Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, registra um número pequeno de reclamações. Apenas sete contra 50 consultas a respeito do assunto. A técnica da área de serviços do órgão, Maria Cecília Rodrigues, afirma que os alunos das academias de ginástica têm direito à devolução dos valores proporcionais e devem exigi-la na hora da desistência.Veja nos links abaixo por que a prática é abusiva e como o Procon-SP orienta o consumidor neste caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.