finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Academias reduzem horário para economizar

Desligar lâmpadas, reduzir o horário de funcionamento e até suspender aulas se houver menos de cinco alunos. Nas academias de ginástica de São Paulo, a ordem é economizar energia. A Master, que funciona 24 horas e tem 30% do movimento a partir das 23h30, estuda a compra de um gerador. "Nossa economia, por enquanto, está em desligar alguns aparelhos de televisão e lâmpadas", explica Márcia Ebone, do sistema administrativo e financeiro da academia. "Não podemos mudar o horário, esse é nosso marketing."Com todo o sistema de ginástica informatizado, a Competition, que tem três unidades na capital, está racionalizando o uso da energia. "O aquecimento das piscinas e chuveiros, que antes era feito por uma bomba térmica, agora usa gás natural", explica o gerente de marketing Fernando Rossi. Além disso, as unidades estão fechando uma hora mais cedo.A academia Runner também adota o mesmo exemplo da Competition. Com nove unidades na capital, apenas uma continuará aberta aos domingos. Todas as fachadas terão as luzes apagadas em tempo integral. "Estamos medindo o quanto estamos economizando para saber o que está dando certo", diz. Em média, a Runner gasta R$ 10 mil em contas de luz.A Companhia Athletica, com oito unidades no País, está investindo R$ 600 mil para equipar cinco unidades com geradores a partir de 1.º de julho. Nas outras três, o consumo está sendo avaliado. Tudo isso, segundo a Assessoria de Imprensa da rede, para evitar prejuízos ao usuário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.