Ação da Lupatech desaba e empresa reconhece dificuldades

A Lupatech, fornecedora de equipamentos e serviços para o setor de petróleo e gás, reconheceu nesta quarta-feira que sua situação financeira é delicada --enquanto suas ações desabavam mais de 20 por cento na Bovespa.

REUTERS

23 de novembro de 2011 | 16h34

"Ainda que nossa situação financeira no terceiro trimestre gere preocupações em relação à solvência da companhia, estamos trabalhando fortemente para equilibrar nossa estrutura de capital e fortalecer nossa posição de caixa num curto espaço de tempo, o que acreditamos ser do interesse de todos os nossos acionistas", afirmou a empresa em comunicado ao mercado durante o pregão.

As ações da Lupatech caíam 22,1 por cento às 16h09, a 4,50 reais, com giro financeiro de 8,6 milhões de reais, na mínima até esse horário. O papel não integra a carteira teórica do Ibovespa, que tinha perda de ao redor de 1 por cento.

No ano, as ações da companhia acumulam perda de 70 por cento.

A empresa está no meio de um processo de venda de ativos não estratégicos fora do negócio de petróleo e gás. Em 13 de outubro, a Lupatech anunciou ter recebido proposta para vender a unidade Steelinject Injeção de Aços para a Forjas Taurus por 14 milhões de reais.

A Steelinject é uma das garantidoras dos bônus perpétuos emitidos pela Lupatech. Por isso, os detentores desses títulos de dívida terão que dar aval para a venda da unidade.

"A permissão para a venda da Steelinject permitirá a conclusão do processo de venda deste ativo sem prejuízo aos níveis de garantia dos detentores dos bônus perpétuos, além de colaborar para o fortalecimento da posição de caixa da companhia", segundo a Lupatech.

Conforme a empresa, desde a emissão dos bônus perpétuos, em 2007, a Lupatech comprou outros negócios que elevaram a base de ativos em cerca de 53 por cento, para 1,54 bilhão de reais. A Steelinject representava no fim de setembro 11,7 milhões de reais, ou menos de 1 por cento dos ativos totais da companhia.

CAIXA E DÍVIDA

A Lupatech teve prejuízo líquido de 116,7 milhões de reais no terceiro trimestre, acumulando perda de 129,5 milhões de reais de janeiro a setembro.

A empresa terminou setembro com 30,9 milhões de reais em caixa, queda de quase 50 por cento ante junho.

O endividamento total no final do terceiro trimestre era de cerca de 1,2 bilhão de reais --sendo 312,8 milhões de reais com vencimento em até 12 meses.

A carteira de pedidos, que tem a Petrobras como importante cliente, era de 2,5 bilhões de reais, mas com sua realização concentrada no longo prazo.

Em 19 de outubro, a empresa teve seu rating em escala global atribuído pela agência de risco Moody's reduzido de "Caa1" para "Caa2", uma das piores notas do grau especulativo. A Moody's manteve, ainda, perspectiva negativa para a nota.

Segundo a Moody's, o rebaixamento refletiu as preocupações sobre a liquidez muito baixa da Lupatech e o alto nível de dívida.

(Por Cesar Bianconi)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSLUPATECHACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.