Ação da Petrobras dispara 14% e valor de mercado supera R$ 380 bi

Empresa anunciou sua maior descoberta de reserva de óleo no país

Reuters,

08 de novembro de 2007 | 19h04

As ações da Petrobras dispararam na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e na bolsa de valores de Nova York nesta quinta-feira, 8, depois que a empresa anunciou sua maior descoberta de reserva de óleo no país. Isso levou o valor de mercado da estatal a R$ 385 bilhões, aumentando a distância para a segunda maior empresa do Brasil, Companhia Vale do Rio Doce, que encerrou o pregão desta quinta-feira com valor de mercado de quase R$ 291 bilhões.   Veja também: Colunista Celso Ming explica a descoberta da Petrobras  Com descoberta, ações da Petrobras disparam mais de 10%  A exploração de petróleo no Brasil Entenda a crise dos combustíveis e o corte de gás Histórico da crise O mercado de gás no Brasil Preço do petróleo em alta    Na bolsa paulista, as preferenciais (PN, sem direito a voto) subiram 14,12%, para R$ 80,17. Foi a maior alta desde a de 20,70% de 15 de janeiro de 1999, segundo levantamento da consultoria Economática. As ações ordinárias (ON, com direito a voto) registraram valorização de 14,45%, para R$ 93,30, enquanto o Ibovespa - que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bovespa - caiu 0,32%. A Petrobras informou que finalizou testes no campo de Tupi, na bacia de Santos, onde foi comprovada reserva recuperável de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de petróleo de boa qualidade e gás abaixo da camada de sal. "É mais ou menos metade da reserva da Petrobras. Acho que parte (disso) já era um pouco esperado, mas é claro que a surpresa é positiva, tanto é que o papel está reagindo muito bem", disse Marcos Paulo Pereira, analista da corretora Fator. "A alta de hoje é 100% explicada por isso. Merece mudar um pouco o patamar da ação", complementou. Nos Estados Unidos, os ADRs exibiam valorização de mais de 15% no final da tarde. A maior companhia do mundo em capitalização de mercado é a PetroChina, que supera US$ 1 trilhão. A segunda colocada é a Exxon Mobil, com cerca de US$ 500 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.