CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Ação da Usiminas cai mais de 7% após explosão em Ipatinga

Gasômetro da Usiminas em Ipatinga explodiu na tarde desta sexta-feira; segundo Corpo de Bombeiros, 25 feridos foram encaminhados a hospitais

O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 15h51

A Usiminas figurou na lista de principais quedas do Ibovespa na tarde desta sexta-feira, 10, com papéis apresentando queda de 7,27%. A siderúrgica registrou uma explosão em um gasômetro da Usina de Ipatinga e a companhia decidiu paralisar por precaução, de forma emergencial e temporária, os altos-fornos da unidade.

Em Fato Relevante, a empresa ressaltou que ainda está apurando as causas e consequências da explosão, inclusive com relação a eventuais vítimas.

Segundo o Corpo de Bombeiros, 25 feridos, em princípio sem gravidade, foram encaminhados a hospitais. De acordo com a empresa, até as 14 horas não havia registro de mortos, mas toda a área de risco da usina foi evacuada. A equipe de brigadistas da empresa está atuando no local e, segundo a assessoria, a canalização de gás já foi bloqueada e não há vazamento. 

Parte do centro da cidade também foi evacuada, de acordo com informações dos bombeiros. Representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Ipatinga estavam na portaria da planta em busca de informações sobre a explosão.   

Explosão foi sentida em outros estabelecimentos de Ipatinga

A Câmara Municipal de Ipatinga emitiu uma nota em que informa que a explosão foi "sentida fortemente por todos que estavam no prédio". A Câmara informou, ainda, que a estrutura sofreu danos: vidros foram quebrados e parte do forro se desprendeu em algumas salas. Os servidores foram liberados na tarde desta sexta. 

Rafael Machado, de 29 anos, funcionário de uma sorveteria que fica próxima do gasômetro da Usiminas que explodiu diz que ouviu um barulho forte no momento da explosão. "Escutei o barulho e já liguei os fatos de que poderia ser um acidente. Foi um barulho muito alto, a loja aqui tremeu."

Segundo ele, a sorveteria recebia, na hora da explosão, funcionários da Usiminas que estavam em horário de almoço. "Eles vieram tomar sorvete e ficaram todos assustados", disse. Do estabelecimento, era possível ver a fumaça na região do gasômetro./Renato Carvalho, Renata Batista, Leonardo Augusto e Júlia Marques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.