Ação da Vale com 5% de desconto para FGTS

O presidente do BNDES, Eleazar de Carvalho, definiu há pouco as regras para a venda de ações da Vale do Rio Doce em poder da União. Ele informou que o governo aprovou um desconto de 5% sobre o preço das ações a ser definido pela média das ofertas das instituições financeiras em leilão, como no caso da Petrobras, em agosto de 2000. Esse desconto só vale para quem permanecer nos fundos FGTS-Vale por mais de seis meses e é menor do que o dado na época da venda das ações de Petrobrás, que foi de 10% para o mesmo prazo. Além do FGTS, o brasileiro também poderá comprar as ações da Vale em dinheiro.A operação de venda das ações da Vale do Rio Doce será iniciada na segunda quinzena de fevereiro e que a expectativa é divulgar a data exata ainda esta semana e ficará aberta ao público até meados de março. A compra será feita por meio de fundo de investimento ou diretamente. Os fundos terão aplicação mínima de R$ 300 e máxima de R$ 100 mil. Para ter direito ao desconto de 5%, os recursos devem ficar seis meses indisponíveis. Já as compras diretas podem ser feitas com ou sem desconto. Os valores são iguais e, para ter o desconto, o investidor também deve se comprometer a ficar com as ações em carteira por seis meses.Carvalho lembrou que a venda dos papéis da estatal era inovadora no País e, por isso, foi preciso dar um incentivo a mais para os trabalhadores comprarem as ações. Além disso, Carvalho citou uma pesquisa feita por uma instituição brasileira há poucas semanas que indicava que 55% dos questionados estariam dispostos a adquirir Vale com desconto de 5% - esse montante subia para 74% se o desconto fosse de 10%.O presidente do BNDES, Eleazar de Carvalho, explicou que o montante do FGTS que poderá ser aplicado na operação de venda das ações da Vale do Rio Doce será de R$ 1 bilhão, ou seja, cerca de 25% do valor da operação. Os papéis poderão ser adquiridos por meio de aplicações em fundos de investimento oferecidos pelos bancos com aplicações mínimas de R$ 300 e máxima de R$ 100 mil. Quem permanecer nestes fundos por mais de seis meses terá desconto de 5% sobre o valor das ações. O uso do FGTS na operação está limitado a 50% do saldo atual do fundo. Quem tem Petrobrás pode migrar para ValeQuem já usou parte do saldo para comprar ações da Petrobras poderá migrar diretamente da Vale do Rio Doce, mas não terá o desconto. A vantagem é que o rendimento obtido com a valorização dos papéis da Petrobras também será transferido para o novo fundo.Eleazar de Carvalho explicou que a compra das ações da Companhia Vale do Rio Doce poderão ser feitas em dinheiro ou com recursos do FGTS. Quem já tem recursos do FGTS aplicados em ações da Petrobras terá a opção de resgatar seus recursos e depois investir 50% do saldo do FGTS em um Fundo FGTS-Vale. Carvalho explica que o rendimento das ações da estatal não entra no cálculo do saldo. Os recursos usados na época da operação da Petrobras em junho de 2000 serão corrigidos pela TR mais 3% ao ano e incluídos no saldo que permaneceu no FGTS. Quem quiser também poderá transferir todos os recursos diretamente para um fundo FGTS-Vale. Neste caso, o rendimento também será utilizado, mas não será oferecido o desconto de 5% dado pelo governo.Imagem da empresa é sólidaO presidente do BNDES informou que o banco fará uma campanha promocional para divulgar a operação nas próximas semanas. Ele lembrou uma pesquisa feita por uma instituição brasileira com investidores de fundos de renda fixa mostra que a imagem da Companhia Vale do Rio Doce, liderando, junto com o Banco do Brasil, a lista de ações que estes investidores teriam interesse em adquirir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.